Ações de sustentabilidade e responsabilidade socioambiental são fundamentais para qualquer empreendimento que tenha a natureza como negócio. Reduzir as nossas pegadas no meio ambiente, evitar o desperdício, produzir pouco lixo e reaproveitar materiais, dando a eles novos usos, explorando em sua totalidade a sua função é algo que tem tomado proporções expressivas por todo o mundo.

No Parque Vila Velha, um dos pontos turísticos mais conhecidos do Paraná, ações de responsabilidade com o meio ambiente são levadas a sério, prova disso é o selo Aterro Zero, ostentado pelo Parque desde 2021.  Com essa certificação, o Parque entra para a história da conservação e do turismo sustentável do Brasil como o primeiro parque Aterro Zero do Paraná.

O Projeto Aterro Zero, garante o processamento de todo resíduo reciclável gerado dentro do Parque, fazendo com que ele retorne, por exemplo, em forma de lixeiras e sacos de lixo. Já o lixo orgânico é compostado e retorna em forma de adubo. O restante do lixo, que não pode ser reciclado, é transformado em combustível por meio do coprocessamento para alimentar os fornos da indústria cimenteira.

“Dessa forma, geramos valor para os resíduos que o Parque e seus visitantes produzem”, diz o Gestor do Parque Vila Velha, Leandro Ribas.

Geração de resultados

Toda a operação para a implantação do projeto Aterro Zero foi desenvolvida em parceria com a Kapersul Waste Management – KWM, empresa especializada no desenvolvimento de soluções completas e integradas de gestão de resíduos.

“Foram cerca de três meses de estudo para o desenvolvimento do projeto Aterro Zero no Parque Estadual de Vila Velha. No total, da implantação até a obtenção do selo, foram aproximadamente seis meses”, afirma o Engenheiro Ambiental da KWM, Leon Miecoanski.

Os resultados colhidos em 2022 apontam que o Parque Vila Velha está no caminho certo no apoio ao desenvolvimento sustentável, reciclagem de resíduos e a transformação da economia circular.

“Somente no ano de 2022, por meio dos nossos processos, conseguimos reaproveitar 2.976 kg de plástico, 744kg de papel, 992 kg de metal e 248 kg de vidro”, revela o engenheiro.

Um exemplo dessa gestão consciente é o resultado da poda e manutenção das áreas verdes, que são usados como adubo natural, conforme o plano de manejo do parque.

“Todo o processo leva em conta  a redução do impacto ambiental, reaproveitando o material que já está na cadeia de consumo, sem que seja necessário que a natureza sofra uma nova extração de matéria-prima. Dessa forma, também, o resíduo orgânico não vai para aterros, evitando a emissão de gases poluentes e demais impactos ambientais negativos decorrentes desse processo”, declara Miecoanski.

Na opinião do profissional da KWM, as empresas estão buscando cada vez mais os ideais de sustentabilidade, como visto na expansão de ações ESG – governança ambiental, social e corporativa – no mercado, e essa preocupação deve iniciar na concepção dos produtos e serviços e englobar toda a cadeia de suprimentos. É uma tendência global e o Parque Vila Velha se mostra na vanguarda ao implementar projetos como este de Economia Circular.

De acordo com o Gestor do Parque Vila Velha, tudo o que sai do Parque vira novo produto a partir da reciclagem.

“Do total de resíduos, cerca de 60% são recicláveis (papel, metal, plástico e vidro) e 40% são resíduos orgânicos e rejeitos (material que não pode ser reaproveitado). Com o plano de gestão, os rejeitos do Parque Vila Velha estão sendo utilizados como combustível alternativo na produção de cimento, por coprocessamento. Os resíduos orgânicos estão sendo transformados em adubo pelo processo de compostagem. Os resíduos recicláveis são triados, classificados por tipologia e destinados para diferentes indústrias de transformação, retornando ao uso como matéria-prima ou novos produtos”, afirma Ribas.

Em média, 1 kg de resíduo reciclável produz 0,7 kg de novos produtos.

O projeto prevê que uma parcela dos resíduos gerados pelo parque retorne, após processamento, como novos produtos, gerando uma economia circular. Parte desse processo já está acontecendo, pois todos os sacos de lixo usados dentro do parque são produtos reciclados, assim como, os contentores para acondicionamento dos resíduos.

Com o projeto Aterro Zero, através da destinação sustentável dos resíduos, o Parque Vila Velha elimina seu passivo ambiental, reduz as emissões de CO2, minimiza impactos ambientais e contribui para a redução do uso de combustíveis fósseis.

Sobre o Parque Vila Velha

Localizado a uma hora de Curitiba, o Parque Estadual de Vila Velha é o primeiro parque estadual criado no Paraná, em 1953, e atualmente é uma concessão do Governo do Estado do Paraná, por meio do Instituto Água e Terra, à Soul Vila Velha, uma empresa do Grupo Soul Parques.

As bilheterias funcionam até as 15 horas. O parque indica, a chegada ainda pela manhã, para que os visitantes possam conhecer os três atrativos naturais – Arenitos, Furnas e Lagoa Dourada – se deliciar com as diversas opções gastronômicas e ainda aproveitar as atrações de aventura – Tirolesa, Arvorismo e Cicloturismo.

Mais informações podem ser obtidas no site www.parquevilavelha.com.br e nas redes através do @parquevilavelha.

da assessoria