Morre o senador, um vizinho, um familiar… não há vagas nos hospitais, vacinas estão demorando e o dinheiro cada dia fica mais curto. Como falar em saúde mental diante de um cenário tão desanimador? Estamos com medo de não sobreviver ou de não conseguir manter nossa família financeiramente. Toda esta situação nos deixa em estado constante de alerta e tem o poder afetar nossa saúde mental, aumentando os níveis de ansiedade, em decorrência de nos sentirmos inseguros e estressados e muitas vezes impotentes diante do que está acontecendo. Tivemos estrutura emocional para suportar até o momento, mesmo que tenha sido difícil. Mas assim como um elástico, vamos puxando até que arrebente. É o limite da nossa resiliência que está sendo testado.

Ninguém está isento. A diferença é que alguns sofrerão mais e outros menos com esta situação. Para isso precisamos aprender a administrar a ansiedade e desenvolver repertórios para lidar adequadamente com esses estressores. É claro que pessoas que já possuem histórico de depressão e ansiedade terão mais dificuldades, mas ainda assim, é possível amenizar o desconforto.

Elencamos pequenas ações no cotidiano que podem ajudar você a preservar e fortalecer sua saúde mental em tempos de dificuldades.

  • Lembre-se que você não está sozinho. Todos estão na mesma situação. E, apesar disso, cada um encontra uma melhor forma de lidar com este momento. Não se compare com outras pessoas e tente encontrar o que mais funciona para você.
  • Este é um momento intenso e fora do comum. É completamente normal se sentir triste, assustado e/ou menos produtivo que o habitual. Uma pandemia e o distanciamento social geram diversas emoções que são difíceis de lidar. Novos sentimentos são esperados. Não se cobre para estar bem 100% do tempo.
  • Observe suas demandas internas. Abafar e ignorar sentimentos não é saudável. Tente colocar tudo o que está acontecendo no mundo em perspectiva e relacione ao que você está sentindo – estão interligados? Se colocar como parte do todo vai trazer autoconhecimento e facilitará encontrar o equilíbrio da situação.
  • Limite o tempo ligado nas notícias.  Evite bombardeio de informações, que é um dos principais fatores de ansiedade. É claro que todos precisamos estar bem informados, no entanto, não devemos ficar obcecados e sempre tomar cuidado com informações falsas, buscando fontes confiáveis para se informar. Não fique o dia todo assistindo aos noticiários — procure escolher um horário do dia para se informar, caso contrário, você passará o dia todo só pensando nisso. Evite também olhar toda hora as notificações do celular.
  • Utilize a tecnologia para se aproximar das pessoas. Mantenha a proximidade por meio dos recursos digitais. Faça uso de e-mails, redes sociais, telefone, teleconferências etc.  Por mais que o isolamento social seja muito frustrante, não podemos negar que vivemos em uma era em que a tecnologia é capaz de ajudar (e muito) a superar este momento.
  • Aproveite para estreitar laços com as pessoas queridas. Ligue para os seus avós que estão sozinhos em casa; Faça uma ligação por Skype com a sua amiga que não vê há muito tempo e também está isolada; Marque uma chamada de vídeo com todos os seus primos. A pandemia do coronavírus tem o poder de aflorar sentimentos de abandono e rejeição, portanto, é importante se manter de alguma forma conectado às pessoas que você ama. Sem contar que é uma ótima maneira de se distrair e passar o tempo. Uma conversa com amigos ou com a família por mensagens, ligações telefônicas ou vídeochamadas pode aliviar sensações ruins. Também faz relembrar que existe uma rede de apoio com a qual você pode contar.
  • Descanse. O sono regular interfere diretamente no equilíbrio emocional. Portanto, tente dormir 8 horas por dia. Busque atividades que auxiliem no sono profundo e de qualidade.
  • Alimente-se bem. Ter atenção ao que se come e priorizar uma dieta balanceada permite a ingestão de todos os nutrientes necessários ao organismo. Isso ajuda no bom funcionamento dos processos químicos do cérebro. Cuidar do corpo também é cuidar da mente.
  • Beber água;
  • Evite drogas como escape do estresse. Álcool e tabaco se tornam vícios e, a longo prazo, causam muito malefícios à saúde física e mental.
  • Tire um tempo para você. Não preencha seus dias apenas com atividades obrigatórias – libere um espaço na sua agenda para ler um livro, assistir a um filme, aprender uma habilidade nova, fazer exercícios físicos, ouvir uma música, cozinhar com tranquilidade. A escolha é sua: por você e para você.
  • Se conecte com a natureza, ter mais plantas em casa para cuidar;
  • Adquirir novos hobbies; Use a quarentena para se dedicar a atividades que gostaQuantas vezes você já reclamou de não ter tempo para fazer algo que gosta? Com certeza agora é o momento de investir naquele hobby de pintar, desenhar, escrever, ler ou aprender a cozinhar.
  • Consumir mais arte e cultura mesmo que virtualmente;
  • Estabeleça uma rotina (horário para acordar, horários para as refeições, separar os horários de trabalho e descanso;
  • Tirar 30 minutos a uma hora por dia para alguma ação de autocuidado;
  • Praticar alguma atividade física, alongamento, yoga, meditação, relaxamentos conduzidos, utilize aplicativos para orientação. Além disso, com a internet temos acesso a muito conteúdo gratuito. É possível assistir aulas online, fazer cursos e realmente mergulhar em uma nova paixão, além de ajudar a aliviar a solidão, a angústia, a tristeza, a apatia ou a inquietação.
  • Pratique meditação. A meditação irá te ajudar a diminuir os níveis de ansiedade e estresse, além de ser benéfica para o fortalecimento do seu sistema imunológico. Afinal, quando a nossa mente vai bem, o corpo fica mais forte também.
  • Procure cultivar pensamentos positivos. Isso porque os pensamentos podem ser uma das grandes causas da sua ansiedade. Ao longo do dia, não se deixe apegar por pensamentos ruins e nem fique ruminando o medo. Procure conversar com familiares e amigos para desabafar e expor como se sente.
  • Fazer um plano de atividades do dia, mas um plano consciente, que não vá potencializar mais o estado aflitivo caso não consiga cumpri-lo.
  • Técnica de controle da respiração para redução da ansiedade;
  • Apesar das desvantagens do isolamento social, também é uma boa hora para esquecer as desculpas e começar a dar atenção para atividades que você deixa de lado no dia a dia.
  • Seja criativo, não é preciso mudar tudo de uma só vez. Estabeleça algumas prioridades e procure reconhecer as pequenas conquistas do cotidiano. E caso e esteja em sofrimento psíquico, procure por ajuda profissional.

Esses são apenas alguns dos principais aspectos que fazem a diferença para uma rotina saudável, que priorize o bem-estar e a saúde mental durante a pandemia. Leve em consideração aquilo que faz sentido de acordo com o seu estilo de vida e preferências – e coloque em prática o que funciona para você.

 

*por Cassieli Coelho, psicóloga da Vigilância em Saúde do Trabalhador, e Edson Gross, fiscal sanitário.