José Tiago Correia Soroka foi condenado, na última sexta-feira (8), a 104 anos, quatro meses e seis dias de prisão por três crimes de latrocínio (roubo seguido de morte), roubo agravado e extorsão – os crimes ainda possuem o agravante de homofobia. Ele foi acusado de matar três homens homossexuais, sendo dois em Curitiba e um em Abelardo Luz, em Santa Catarina. Soroka também foi condenado ao pagamento de 229 dias-multa, sendo que cada um vale um trigésimo de um salário mínimo à época dos crimes cometidos.

A primeira vítima foi o professor universitário Robson Olivino Paim, de 36 anos, encontrado morto em 16 de abril de 2021, em Almirante Tamandaré. O corpo dele foi encontrado em um carro abandonado e as investigações apontaram que ele foi morto em Santa Catarina.

Na capital paranaense, Soroka foi condenado pelo homicídio do enfermeiro David Júnior Alves Levisio, de 28 anos, em 27 de abril de 2021. Seu corpo foi encontrado amarrado e com sinais de tortura. Já a terceira vítima foi Marco Vinício Bozzana da Fonseca, 25 anos. Ele foi encontrado morto em seu apartamento, no bairro Portão.

O serial killer de homossexuais José Tiago Correia Soroka, conhecido como Coringa, foi condenado a 104 anos, quatro meses e seis dias de prisão por três crimes de latrocínio (roubo seguido de morte), roubo agravado e extorsão. A decisão da juíza Cristine Lopes, da 12ª Vara Criminal de Curitiba foi proferida na sexta-feira (8). Os crimes de latrocínio foram agravados por causa da homofobia.

No dia 11 de maio ele tentou matar mais um homossexual em Curitiba, porém sem sucesso. De acordo com a Polícia Civil, ele foi fundamental para ajudar na ligação e no esclarecimento entre os crimes.

Informações: RIC Mais

Foto: Redes Sociais