Após o alerta de que poderão falta seringas e agulhas para a vacinação contra a COVID-19 no país, a Secretaria Nacional do Consumidor, vinculada ao Ministério da Justiça e Segurança Pública, irá investigar o caso.

O objetivo é identificar o andamento da produção e comercialização dos materiais e evitar o desabastecimento do mercado. Foram notificadas as empresas empresas Injex Indústrias CirúrgicasBD Brasil e Saldanha Rodrigues LTDA, que terão 10 dias para apresentar as informações.

“A Senacon decidiu analisar se há risco de os consumidores finais ficarem sem acesso aos produtos, ou de que os preços venham a subir significativamente, em prejuízo à sua saúde, segurança e interesses econômicos”, afirma o diretor do Departamento de proteção e Defesa do Consumidor do Ministério da Justiça, Pedro Aurélio da Silva. Ele destaca ainda que a ação contribuiu com as investigações que já estão sendo realizadas pelo Ministério da Economia.

Imagens: Freepik