Medida foi tomada para controlar transmissão do coronavírus, mas demanda já vinha diminuindo por receio dos próprios pacientes. A exceção são os exames, que continuam sendo realizados

O número de atendimentos eletivos (não de urgência) na Santa Casa de Irati diminuiu em comparação ao mesmo período do ano passado. Em março, houve queda de 20% e em abril, 32%.

O fato é atribuído à pouca procura dos pacientes por este tipo de atendimento e também as paralisações ocorridas em virtude da pandemia do Coronavírus. O hospital chegou a interromper procedimentos e cirurgias eletivas logo no início da pandemia, mas reabriu, no mesmo tempo que ocorreu a reabertura do comércio de Irati, permanecendo nesta condição por mais de 30 dias.

Com a confirmação de casos de Covid-19 na região, o hospital voltou a suspender procedimentos. Desde o dia 18 de maio até 3 de junho, as consultas e cirurgias eletivas (que podem aguardar) estão suspensas, incluindo do Consórcio Intermunicipal de Saúde.

Continuam a ser realizados os pós-operatórios de pacientes que já passaram por procedimento cirúrgico e algumas cirurgias ortopédicas que não podem esperar. Exames eletivos também continuam sendo realizados. Casos de emergência ainda continuam a ser feitos. Uma triagem é realizada pela equipe da Santa Casa para verificar o estado de saúde das pessoas que entram no hospital, incluindo funcionários.

O número de atendimentos eletivos (não de urgência) na Santa Casa de Irati diminuiu em comparação ao mesmo período do ano passado. Em março, houve queda de 20% e em abril, 32%.

O fato é atribuído à pouca procura dos pacientes por este tipo de atendimento e também as paralisações ocorridas em virtude da pandemia do Coronavírus. O hospital chegou a interromper procedimentos e cirurgias eletivas logo no início da pandemia, mas reabriu, no mesmo tempo que ocorreu a reabertura do comércio de Irati, permanecendo nesta condição por mais de 30 dias.

Com a confirmação de casos de Covid-19 na região, o hospital voltou a suspender procedimentos. Desde o dia 18 de maio até 3 de junho, as consultas e cirurgias eletivas (que podem aguardar) estão suspensas, incluindo do Consórcio Intermunicipal de Saúde.

Continuam a ser realizados os pós-operatórios de pacientes que já passaram por procedimento cirúrgico e algumas cirurgias ortopédicas que não podem esperar. Exames eletivos também continuam sendo realizados. Casos de emergência ainda continuam a ser feitos. Uma triagem é realizada pela equipe da Santa Casa para verificar o estado de saúde das pessoas que entram no hospital, incluindo funcionários.

Enquanto isso, a instituição procura a ajuda da comunidade. Somente em março, a ajuda da população somou quase R$ 7 mil usados para compra de luvas, aventais, protetores faciais, álcool gel, e outros equipamentos para o trabalho do hospital. A Santa Casa também recebeu mais R$ 30 mil do Fórum da Comarca de Ponta Grossa para compra de EPIs.

O hospital também ainda possui recursos de um empréstimo feito pela Caixa Econômica Federal, que seria usado para quitar empréstimos anteriores. Entretanto, este recurso também está terminando.

De acordo com o provedor da Santa Casa, Dr. Ladislao Obrzut Neto, o que também deve prejudicar a situação financeira é a mudança para repasse de recursos do Governo Estadual e Federal.

 Nós vamos receber do Estado e do Governo Federal o que fizermos nos últimos meses. Então uma proporção. E essa proporção será repassada para nos. Não vai cobrir as despesas que tivemos e que estamos tendo, disse, informando que a suspensão de metas quantitativas e qualitativas de atendimento para o SUS por 120 dias, a partir de
1º março, foi definida pela lei 13992  de 22 de abril de 2020.

Segundo ele, em dois a quatro meses será possível saber o real valor do impacto nas contas da Santa Casa.

Sala de espera do atendimento eletivo ou emergencial separada das suspeitas de coronavírus na Santa Casa de Irati. Foto Jussara Harmuch/Najuá

Corredor de acesso à parte frontal da Santa Casa de Irati. Foto Jussara Harmuch/Najuá

 

Da Rádio Najuá