O presidente da República, Jair Bolsonaro, deve nomear ainda nesta sexta-feira (03) o novo Ministro da Educação, Renato Feder. Ele deve assumir a pasta após a saída de Carlos Decotelli, que foi nomeado mas sequer tomou posse do cargo.

Renato Feder, 42 anos, é um empreendedor e político brasileiro. Ele é sócio de uma grande empresa de eletroeletrônicos e informática no Brasil, Multilaser, e atual Secretário de Estado da Educação e do Esporte do Paraná. Assumiu a função no governo Ratinho Junior, em 2019.

Graduado em Administração pela Fundação Getúlio Vargas (FGV), é mestre em Economia pela Universidade de São Paulo. Em junho de 2020, chegou a ser cotado para suceder Abraham Weintraub no Ministério da Educação, porém o fato não se concretizou.

Feder será o quarto ministro a assumir a pasta e terá como desafios a condução da Educação em meio à pandemia do novo coronavírus; a aprovação do texto do Fundeb (Fundo de Manutenção e Desenvolvimento da Educação Básica e de Valorização dos Profissionais da Educação), que vence em dezembro; e a realização do Enem (Exame Nacional do Ensino Médio) 2020, que deverá ficar para 2021.

Renato Feder defendeu a extinção da pasta e a privatização de todo o ensino público, a começar pelas universidades. A proposta, que incluía a concessão de vouchers para as famílias matricularem os filhos em escolas privadas, está no livro Carregando o Elefante – como transformar o Brasil no país mais rico do mundo, de 2007.

Com informações do portal R7 e Folha de São Paulo.