Na manhã desta segunda-feira (29), o prefeito de Ponta Grossa, Marcelo Rangel, criticou os cerca de 620 mil brasileiros que receberam o auxílio emergencial do Governo Federal sem ter direito.

De acordo com o relatório do Tribunal de Contas da União (TCU), entre os beneficiários estão empresários, milionários, parentes de políticos e até pessoas já falecidas. O rombo nos cofres públicos chega a mais R$ 1 bilhão.

Rangel ressalta que são pessoas que realizaram o cadastro mesmo sabendo que não teriam direito ao auxílio emergencial. “Nós estamos falando de pessoas que burlaram a lei. Como é que se resolve um problema institucional como esse num país tão grande e tão rico? É uma tristeza muito grande”, lamenta.

“Infelizmente esta é uma prova de que o nosso país sofre da doença da corrupção generalizada”, dispara. “Não é somente na política. A corrupção está em todos os lugares, no comércio, na igreja, no trânsito”, enumera

O prefeito criticou a hipocrisia do combate à corrupção e lembrou que muitas dessas pessoas também são eleitores. “Muitos desses que pegaram os R$ 600 ajudam a eleger deputados, prefeitos, senadores, Presidente, governadores, vereadores e depois vão para a internet criticar os políticos corruptos. O político é apenas um reflexo da sociedade”, enfatiza.

Entretanto, Rangel reforça que uma parcela dos que receberam o auxílio emergencial indevidamente podem ter sido enganadas, tiveram o CPF roubado e utilizado sem o consentimento para realizar o cadastro.

As declarações foram dadas durante o Programa Nilson de Oliveira’, transmitido diariamente pela Rádio Mundi FM.

Imagens: Agência Brasil      informações