O prefeito de Guarapuava, Cesar Silvestri Filho (Podemos), defende que o Tribunal de Justiça do Paraná (TJ-PR) seja um parceiro dos municípios e possa enviar créditos para as cidades do estado, sobretudo para ajudar os pequenos negócios. O prefeito tem essa opinião baseada primeiro pelo momento de pandemia em que vivemos, ele também confia na boa relação entre os poderes no estado para que isso aconteça, por fim, ele ainda complementa dizendo que TJ-PR vive um bom momento, com a menor taxa básica da história. Esses detalhes foram dados em uma conversa do prefeito com o jornal Gazeta do Povo.

Para Silvestri, com o momento sensível de pandemia em que vivemos, o TJ-PR não seria contrário a uma decisão como esta.  “Eu não tenho dúvida de que o TJ-PR, num momento como esse, seria sensível a uma demanda dessa, a postura do Tribunal, historicamente, é muito positiva em relação a essas boas causas”, reforça.

Para Cesar, o governador do Paraná, Ratinho Junior, é a pessoa ideal para conseguir esse tipo de conquista. “O governador Ratinho é uma pessoa que tem um diálogo muito bom com os demais poderes do estado. Acho que tem um ambiente favorável para ter esse tipo de conquista”, diz.

Sugestão é um ‘Programa de Fomento’

Esse tipo de operação não é novidade, o estado do Rio de Janeiro já fez algo similar a isso há alguns anos atrás, com outro foco. Partindo deste ponto, o chefe do executivo guarapuavano defende que se o TJ-PR der a metade do que tem, que hoje é algo em torno de R$ 500 milhões, os municípios seriam contemplados com R$ 5 bilhões de empréstimo para a economia local, dinheiro este que seria aplicado sobretudo nos pequenos negócios.

Ele ainda faz um pedido para que o governo estadual negocie com o Tribunal de Justiça o uso emergencial de mais de R$ 1 bilhão depositados no Judiciário. Em conversa com o D’Ponta News, o prefeito reforça a sugestão e deixa a ideia um pouco mais clara.

Ele fala em um programa de fomento para as cidades paranaenses; “Partindo do valor de R$ 5 bilhões, dinheiro este que entraria em uma espécie de programa de fomento, oferecendo crédito barato para as pequenas empresas. Pode ser até uma operação em que o Tribunal não tivesse prejuízo algum, nenhum tipo de perda de capital, mas que permita uma aceleração desse crédito”, completa.

Ouça abaixo o áudio enviado ao D’Ponta News onde o prefeito explica melhor a ideia:

Com informações: Gazeta do Povo/Foto: Divulgação