Ações na área da segurança também se destacam nos 100 primeiros dias da segunda gestão do governador Carlos Massa Ratinho Junior. A Polícia Civil do Paraná (PCPR) realizou nos primeiros três meses deste ano 159% mais operações de repressão qualificada em relação ao mesmo período de 2022. O foco principal dessas ações é o combate ao crime organizado. De janeiro a março de 2023 houve 148 ações deste tipo – no mesmo período do ano anterior foram 57.

Nos três primeiro, o número de integrantes do crime organizado capturados nessas operações cresceu 108% em relação ao ano passado. Em 2022, foram 116 presos e, neste ano, a PCPR contabilizou 242 pessoas presas, ou seja mais que o dobro.

O delegado-geral da PCPR, Silvio Jacob Rockembach, acredita que o bom resultado se deve à contratação histórica de delegados e de servidores de demais carreiras policiais civis, no final do ano passado.

“São policiais de todas as carreiras que contribuem de forma conjunta para que os serviços da PCPR sejam prestados da melhor maneira possível”, diz Rockembach. “Já conseguimos ver resultados expressivos no crescimento do número de operações de repressão qualificada. Com o combate efetivo ao crime organizado, quem ganha em segurança é o povo do Paraná”, afirma.

As operações de repressão qualificada são de alta complexidade, demandam mais tempo de investigação e um elevado grau de especialização. Por isso, se diferem de outras ações gerais realizadas pela PCPR.

Dentre os principais tipos de crimes investigados estão tráfico de drogas, homicídio, corrupção, roubos e estelionato. A captura dos envolvidos minam a atuação de organizações criminosas, refletindo diretamente na diminuição da criminalidade.

FRAUDE- Ação de repressão de destaque ocorreu no dia 1º de março, quando dez integrantes de um grupo criminoso que burlava o sistema de vistorias e transferências de veículos foram presas pela PCPR, com atuação também do Detran-PR. Conforme apurado, o prejuízo gerado às vítimas foi passou de R$ 3,5 milhões.

A ação aconteceu em Curitiba e Região Metropolitana. A investigação começou a pedido do órgão de trânsito, que identificou a fraude e imediatamente implementou processo de controle mais rígido.

TRÁFICO DE DROGAS – Em outra operação, a PCPR prendeu dez integrantes de uma organização criminosa ligada ao tráfico de drogas. A ação ocorreu em Londrina, na região Norte do Estado. Também foi apreendido um carro, drogas e armas.

ROUBO – Outro exemplo foi a operação que resultou na prisão de quatro integrantes de uma organização criminosa envolvida em furtos de veículos de luxo em Toledo, Umuarama e Cianorte, regiões Oeste e Noroeste do Estado.

da AEN