Um erro de dois policiais militares acabou provocando uma situação pra lá de constrangedora na última quinta-feira (26), em Curitiba. Os PMs foram até a casa do juiz Eduardo Lino Bueno Fagundes Júnior, da 1ª Vara de Execuções Penais da capital, e deram voz de prisão ao magistrado. Só não perceberam que o nome do juiz aparecia como quem expediu o mandado e não como o alvo que deveria ser preso. A confusão foi percebida ainda no local.

O mandado havia sido emitido pelo juiz Fagundes Júnior horas antes. Fez isso e foi almoçar em casa. Lá, foi surpreendido pelos policiais. Foi o próprio magistrado que, ao pedir para ver o mandado na tela do celular de um dos PMs, mostrou aos dois que ele não era o alvo. Constrangidos, os PMs foram embora.

O caso foi relatado ao Tribunal de Justiça do Estado do Paraná (TJ-PR), que abriu uma investigação. O mesmo foi feito em relação ao Comando-Geral da Polícia Militar, que também abriu um processo-administrativo sobre a conduta dos policiais. O espaço está aberto para as manifestações.

da Banda B