A Polícia Federal e o Ministério Público do Rio deflagraram nesta segunda-feira (24) a Operação Élpis, na primeira fase de uma nova investigação sobre os homicídios da vereadora Marielle Franco e do motorista Anderson Gomes e a tentativa de homicídio da assessora Fernanda Chaves, no Centro da capital fluminense, em março de 2018. De acordo com a PF, foi cumprido um mandado de prisão preventiva. O alvo é o bombeiro Maxwell Simões Correa.

Apontado como cúmplice do sargento da reserva da Polícia Militar Ronnie Lessa, acusado do duplo homicídio, o sargento já havia sido preso em junho de 2020 durante a Operação Submersos II. Segundo o MP, Maxwell era o dono do carro usado para esconder as armas que estavam num apartamento de Ronnie Lessa.

Em fevereiro de 2021, Maxwell foi condenado a quatro anos de prisão por obstrução de Justiça no caso. Ele foi autorizado a cumprir a pena em regime aberto e prestar serviços à comunidade. No entanto, o Tribunal de Justiça acolheu recurso do Ministério Público para aumentar a pena para seis anos e estabelecer o regime fechado.

Os agentes também cumprem sete mandados de busca e apreensão na cidade do Rio e na Região Metropolitana.

Foto: Reprodução/Bernardo Guerreiro

Leia a matéria completa do O Globo