Um dos maiores desafios para os pais de alunos durante o período de pandemia é não deixar os filhos perderem o ritmo do estudos enquanto estão longe das salas de aula. As escolas municipais de Ponta Grossa estão distribuindo atividades complementares e transmitindo o conteúdo por meio da TV Educativa. Já as escolas particulares adotaram formas de realizar aulas online por meio de plataformas disponíveis na internet.

Longe das aulas presenciais, as funções de monitorar os estudos e de auxiliar na resolução das atividades ficaram para os pais. Pensando no desafio de aliar o trabalho e os afazeres domésticos com os estudos dos filhos, o portal D’Ponta News consultou a pedagoga Sônia Mongruel para saber como manter a rotina escolar dos filhos durante a pandemia.

Sônia é formada em pedagogia pela Universidade Estadual de Ponta Grossa (UEPG), pós-graduada em psicopedagogia clínica pela Faculdade Tuiuti, de Curitiba, e mestre em formação de docentes, também pela UEPG. Hoje é coordenadora pedagógica do Colégio Sepam, em Ponta Grossa. Ao fim da entrevista a seguir, ela dá cinco dicas resumidas para ajudar os pais nas tarefas escolares.

Qual é o maior desafio neste momento de pandemia, em que os pais são o suporte de ensino dos filhos?

Neste momento é a necessidade de conciliar as tarefas que os pais têm, com a casa e com o trabalho, com um tempo para auxiliar a criança nos afazeres escolares.

Para crianças de Educação Infantil [até 5 anos] e de Ensino Fundamental 1 [6 a 10 anos], a presença dos pais ou de um adulto para organizar o local de estudo, disponibilizar os materiais para as aulas e ligar os equipamentos é importante em virtude da pouca autonomia que essas faixas etárias possuem.

Os adolescentes de Ensino Fundamental 2 [11 a 14 anos] e de Ensino Médio [15 a 17 anos] já possuem essa autonomia para assistir e participar das aulas. Esse é um grupo que depende de uma pequena supervisão por parte dos pais.

“Se a criança não entendeu algo que o professor trabalhou na aula, os pais devem entrar em contato com a escola e pedir orientação”

Existe um método mais efetivo para que as crianças não percam o ritmo do ensino presencial?

Neste momento, as aulas síncronas [quando o professor e o aluno estão conectados ao mesmo tempo] ou assíncronas [quando o aluno e o professor não estão conectados ao mesmo tempo] para as crianças menores são meios de manter o vínculo com a professora, com os amigos e com atividades desenvolvidas em sala de aula. O tempo de concentração para a apreensão dos conteúdos presencialmente é de 5 a 10 minutos para a criança bem pequena, e de 20 a 30 minutos para as maiores.

Em sala de aula, o professor propõe diferentes atividades, muda-se a disciplina que está sendo trabalhada para retomar a atenção e concentração das crianças, varia-se a forma e o ritmo do trabalho. Nas aulas online, a capacidade de concentração é menor. O ambiente não é escolar, os apelos de irmãos, do movimento da casa, do “cheirinho” do lanche sendo preparado, tudo isso contribui para a dispersão da atenção. Lembremos que alunos mais velhos têm melhor condição de controlar a sua atenção sem interferência de outras pessoas.

A escola tem buscado novas maneiras, métodos e recursos tecnológicos para minimizar a perda de ritmo em relação ao ensino presencial. Precisamos entender que estamos todos vivendo um momento único e que nos traz um jeito diferente de ensinar e de aprender.

Muitos pais estão tendo dificuldade na abordagem das tarefas com os filhos. Como fazer?

É preciso muita calma com eles mesmos e com as crianças. Os pais não são professores, são pais, e, nesta condição, precisam auxiliar os filhos na educação. Se a criança não entendeu algo que o professor trabalhou na aula, entrar em contato com a escola e pedir orientação sobre como proceder para retomar esse conteúdo é algo que os pais podem e devem fazer neste momento.

Na volta ao ensino presencial, as escolas deverão rever conteúdos trabalhados durante o período de isolamento para dar sequência aos assuntos escolares e ao aprendizado dos alunos. Tudo com muito zelo e responsabilidade, como, aliás, sempre é feito pelos bons profissionais da educação.

Confira cinco dicas que a pedagoga preparou com exclusividade para o D’Ponta News:

1 – Organizar um lugar em casa para os momentos da aula;

2 – Separar antecipadamente o material escolar necessário para a aula;

3 – Utilizar o uniforme escolar para que o aluno note que está em momento de estudos;

4 – Respeitar os horários das atividades;

5 – Manter a calma e estimular nas crianças o interesse por aprender.

Por Igor Rosa | Foto: Katherine Klark / Flickr