O Paraná é o estado com o maior número de projetos aprovados na Chamada Recursos Humanos em Áreas Estratégicas (RHAE) – Pesquisador na Empresa Incubada, do Governo Federal. Dos 66 projetos que serão contratados, 14 são do Paraná. Rio Grande do Sul teve 10 projetos aprovados e São Paulo e Santa Catarina tiveram sete cada. Os demais estados tiveram menor número.

A iniciativa busca apoiar projetos de Pesquisa, Desenvolvimento e Inovação (PD&I) por meio da inserção de pesquisadores em microempresas e empresas de pequeno porte, vinculadas às incubadoras de empresas em operação no País. O investimento total na chamada será de R$ 5,3 milhões. Serão contratados 66 projetos, de todas as regiões do País e com a concessão de 163 bolsas nas modalidades Fixação e Capacitação de Recursos Humanos, Desenvolvimento Tecnológico e Industrial e Especialista Visitante. O resultado da chamada pode ser conferido AQUI

“O grande número de projetos aprovados nessa importante chamada comprova a excelência dos ativos tecnológicos do Paraná”, afirma o presidente da Fundação Araucária, Ramiro Wahrhaftig. “Nosso ecossistema de inovação tem gerado ótimos resultados para o Estado e este apoio será fundamental para alavancar ainda mais os projetos desenvolvidos nas nossas incubadoras”, enfatiza.

O edital é uma parceria entre o Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq) e Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovações (MCTI), por meio da Secretaria de Empreendedorismo e Inovação, com o apoio do Conselho Nacional das Fundações Estaduais de Amparo à Pesquisa – Confap e da Associação Nacional de Entidades Promotoras de Empreendimentos Inovadores (Anprotec).

Para o diretor de Ciência, Tecnologia e Inovação da Fundação Araucária, Luiz Márcio Spinosa, os resultados representam o reconhecimento de ações que vêm sendo feitas no Paraná há mais de uma década. “Buscamos incrementar e elevar os impactos destas ações através de novos modelos de gestão da ciência, tecnologia e inovação, em particular os Novos Arranjos de Pesquisa e Inovação, para a implantação e aceleração dos ecossistemas”, diz Spinosa.

Felipe Couto, gerente da Incubadora Sistema Federação das Indústrias do Paraná (Fiep), destaca que o resultado do edital do CNPq é mais um indicador da força do ecossistema de empreendedorismo do Paraná. “Aprofundo aqui uma vertente que nos diferencia de outros estados, que é a distribuição regional tanto de startups como de entidades de apoio”, afirma.

PROJETOS – Entre os 14 projetos aprovados está o “Nanotecnologia e desenvolvimento de materiais avançados para prevenção e combate à Covid-19 e outros microrganismos patogênicos”, desenvolvido na Aintec/Intuel/UEL.

O projeto possui duas frentes. A primeira se refere à produção em escala de Nanopartículas de Prata Biogênicas (BioAgNP). Trata-se de um produto inovador da empresa de pesquisa Gral Bioativos que possui como diferencial ação antimicrobiana de amplo espectro, eliminando bactérias, fungos e vírus, inclusive o coronavírus. Além disso, tem baixa toxicidade e por conta de sua produção a partir de extratos vegetais não emite resíduos tóxicos ao ambiente.

Serão desenvolvidos também quatro produtos nanotecnológicos com a BioAgNP: máscaras, aventais, lenços umedecidos e saneante, que podem ser usados no combate ao coronavírus e a outros microrganismos patogênicos. Por conta da pandemia, houve aumento na procura destes ativos e despertado o interesse de multinacionais e empresas nacionais e internacionais nos produtos da Gral Bioativos.

“As bolsas que iremos receber serão de extrema importância para o desenvolvimento dos produtos e na realização dos testes e análises necessários para o lançamento destes no mercado”, diz Giovanna Aiko Kobayashi Okino, sócia da Gral Bioativos.

“O edital nos possibilitará a contratação de bolsistas extremamente qualificados, que nos auxiliarão não somente em testes, mas também em novas formulações e na redação e depósito de patentes dos novos produtos”, explica.

Desenvolvido na Incubadora Sistema Fiep/SenaiPR, o projeto “Engenharia aplicada para suportar o processo de aprovação e validação dos atributos estruturais de uma motocicleta elétrica do tipo triciclo” tem por objetivo inserir competências técnicas necessárias do ramo da engenharia mecânica para atender requisitos no desenvolvimento de novo veículo no portfólio da companhia.

“Ficamos muito felizes com a avaliação que recebemos, pois são recursos fundamentais para atingirmos os níveis necessários no segmento tecnológico automotivo para entregarmos ao mercado produtos de qualidade e segurança que os usuários exigem e merecem”, comemorou Paulo Cesar Waidzik um dos idealizadores do projeto.

Foram aprovados projetos da Incubadora de Inovações Tecnológicas da UTFPR, Incubadora Tecnológica de Maringá, Aintec/Intuel/UEL, Hotmilk Ecossistema de Inovação da PUCPR, do Centro Incubador Tecnológico (Fundetec) e da Incubadora Sistema Fiep/SenaiPR.

AEN.