Uma nova fase iniciou para quatro startups brasileiras nesta quinta-feira (15) após a asinatura dos contratos de aceleração do Programa de Inovação Corporativa, promovido pelo Parque Tecnológico Itaipu (PTI-BR), a Fundação Araucária e o Sebrae-PR. Cada empreendimento vai receber até R$ 100 mil para investir no desenvolvimento de soluções tecnológicas com foco em “Medidas de combate aos efeitos econômicos da Covid-19”, uma das linhas previstas no edital do Programa. Ao todo, 15 empreendedores de três estados (Paraná, Minas Gerais e Rio de Janeiro) participaram do edital de Inovação Corporativa, com propostas voltadas ao auxílio da retomada do crescimento econômico devido aos efeitos da pandemia, uma das ações do PTI no Programa Acelera Foz.

A AIS – Ambientes Virtuais, a B2B Hotel, a EVAH.io e a Quality Educação Médica foram as empresas selecionadas por uma banca especializada – composta por empreendedores, avaliadores, investidores e representantes de instituições parceiras – entre as soluções apresentadas durante o Demoday virtual, que aconteceu em agosto.

A partir da assinatura dos contratos, as empresas aceleradas vão receber a primeira parcela dos investimentos para, em um período de 12 meses, colocarem em prática os seus projetos, contando com o suporte e a mentoria de todo o ecossistema do Parque Tecnológico e da Fundação Araucária.

O diretor-superintendente do PTI, Eduardo Garrido, destacou que essa é a terceira entrega significativa do Parque Tecnológico dentro das iniciativas do Programa Acelera Foz, juntamente com o Programa Integração Universidade Empresa e o Desafio Inova Oeste, buscando diversificar a economia do município através do incentivo ao empreendedorismo e à inovação.

“Temos a oportunidade de investir recursos em soluções tecnológicas e inovadoras e, com isso, resolvemos problemas, incrementamos a economia da cidade e geramos empregos. Tudo isso tem a ver com o programa de inovação aberta que o PTI quer desenvolver dentro do nosso ecossistema”, enfatizou Garrido.

O diretor de Ciência, Tecnologia e Inovação da Fundação Araucária, Luiz Márcio Spinosa, ressaltou a importante abordagem conduzida pelo PTI ao criar uma agenda de incubação aberta. “Além de um ambiente promotor de inovação em que a dinâmica da hélice quádrupla acontece. Este esforço conjunto só pode resultar em frutos de desenvolvimento socioeconômico e humano com a criação de riqueza e bem-estar.”

O Programa Inovação Corporativa se insere no esforço da Fundação Araucária de fortalecimento dos ecossistemas de inovação, com a implantação dos Novos Arranjos de Pesquisa e Inovação (NAPIs).

O presidente da Fundação Araucária, Ramiro Wahrhaftig, citou a importância de instituições como a Itaipu Binacional e o PTI, as cooperativas, o Biopark em Toledo e a força das universidades para o avanço na área de tecnologia e inovação na Região Oeste do Estado. “Temos um grande hub de inovação e de infraestrutura e logística que contribui para o desenvolvimento do Brasil, principalmente na Região Oeste, e do Paraguai. A presença muito forte das universidades é um grande diferencial na formação de pessoas que são o grande ativo na criação de riquezas e que estão mudando a face do Estado.”

Para o diretor de Negócios e Inovação do PTI, Rodrigo Régis, um dos grandes desafios de um ecossistema de inovação é como tirar uma ideia do papel até transformá-la em um produto.

“A Linha 01 do Programa de Inovação Corporativa incentiva as pessoas a colocarem suas ideias em prática e desenvolvê-las em um produto. Já a Linha 02 é para aquelas empresas que já têm um produto, mas precisam de tração para crescimento. O conjunto disso faz com que sejam otimizados os investimentos e reduzidos os riscos de fracasso”, explicou Régis.

Participaram ainda da cerimônia o gerente Regional Oeste do Sebrae-PR, Augusto Cesar Stein; o presidente do Conselho Econômico e Social de Foz do Iguaçu (Codefoz), Mario Camargo; e um dos diretores da AIS Ambientes Virtuais, Yuri Sefrin, representando as empresas que serão aceleradas.

Imagens/informações: AEN.