A mudança de comportamento dos brasileiros durante a pandemia reflete não apenas no modelo de trabalho, convivência social ou estudos. A relação das pessoas com a sua aparência também mudou. Seja por conta das videochamadas, intensificadas em tempos de home office, ou pelo aumento do uso das redes sociais, muitas pessoas encontraram, no ano passado, uma necessidade maior de cuidado com a aparência do rosto e com a pele.

Embora não existam dados oficiais, o fato é que clínicas por todo o Brasil têm registrado um crescimento expressivo na busca por procedimentos, sobretudo aqueles considerados minimamente invasivos.

Em Ponta Grossa por exemplo, esta realidade já faz parte da rotina de muitos profissionais. E no caso da especialista em Harmonização facial e mestre em DTM, a dentista Camila Scremin, esse cenário se apresenta em números. “Eu vi a procura por procedimentos estéticos aumentar em 50%, durante o período pandêmico, crescimento que tem se mantido”, revela. Uma das justificativas, segundo ela, está no fato das pessoas estarem mais preocupadas com a aparência e da maneira que elas se mostram aos outros, ainda que em tempos de distanciamento social. “A pauta de harmonização facial está diretamente ligada ao aumento da autoestima, super em alta ultimamente”, admite.

Embora as pessoas saiam menos de casa, Camila percebeu através das consultas com seus pacientes que o fato de utilizarem as redes sociais e a internet, de forma geral, tem exigido uma aparência bonita, saudável e harmoniosa para se destacar.

E por falar em internet, a influenciadora digital Lolô Mongruel conta que cuidar de si mesmo e investir na autoestima é fundamental para o bem-estar pessoal. “Na pandemia, tivemos um olhar mais introspectivo, tanto em relação ao nosso ‘eu’, como nossas relações, nossa casa e nossos cuidados”, destaca. Ela acredita que o auto-cuidado e o bem-estar físico, que passa pela busca e adoção de procedimentos estético, influencia muito no equilíbrio mental.

Rápida recuperação

Outra característica apontada por Camila está no fato dos procedimentos estéticos oferecerem uma recuperação
mais rápida, sem necessidade de afastamento das atividades ou de internamento. “Existe um termo que usamos, o chamado downtime, que reflete exatamente o tempo de recuperação para cada intervenção. Quanto menor esse tempo, menor é a janela de baixa de imunidade no nosso organismo”, explica. Além disso, o medo de contágio em hospitais foi outro fator apontado pela profissional para elevar a procura por atendimentos diferenciados.
Cuidados na hora da escolha do procedimento e do profissional

Apesar da vontade de fazer qualquer tipo de procedimento, é muito importante que o paciente entenda é permitido e adequado a cada necessidade. Não é tudo que pode ser feito em todos os tipos de paciente. “Cada tipo de pele, idade e queixa demandam uma análise criteriosa”, reforça Camila. Por isso, ela destaca aimportância de buscar por profissionais qualificados e certificados. “Pesquise, busque referência, conheça o trabalho de cada um através de outros pacientes ou até por meio das redes sociais, para então tomar a decisão do que fazer e de como fazer”, destaca.

Ela concorda que uma boa autoestima é peça chave para tornar-se uma pessoa mais feliz e satisfeita. “Seja via procedimentos estéticos, cuidados com a pele ou uma boa hidratação, é essencial manter o autocuidado em dia e lembrar que você também deve dedicar-se a si mesmo”, finaliza.

da Assessoria