A Vigilância Epidemiológica Municipal confirmou nesta sexta-feira (6) dois casos de dengue em Palmeira. Um dos casos é importado e o outro é autóctone, ou seja, em paciente sem histórico de viagem.

O caso autóctone alerta as autoridades locais e também deve servir como advertência à população, pois confirma infecção local e presença do vírus da dengue em Aedes Aegypti em Palmeira.

Neste ano, de 1º de janeiro até hoje (06/05), Palmeira já registrou dois casos confirmados, dois casos descartados e sete casos suspeitos.

Se você souber de algum local que não esteja observando as orientações de prevenção contra a dengue, denuncie à Vigilância Epidemiológica Municipal através do protocolo/e-SIC pelo endereço http://palmeira.pr.gov.br/e-sic/.

Já em caso de suspeita de dengue, procure a unidade de saúde mais próxima à sua residência. O rápido diagnóstico é fundamental no tratamento da dengue.

Cuidados

É absolutamente necessário que as pessoas eliminem todo tipo de criadouros como água parada em vasos de plantas, garrafas, lixo e bebedouros de animais, entre outros, onde as larvas do mosquito se criam. É extremamente importante manter uma rotina de limpeza semanal na residência, para eliminar qualquer tipo de lixo acumulador de focos da dengue.

Os casos mais graves da doença costumam ocorrer em determinados grupos de risco, composto por idosos, gestantes, lactentes menores (29 dias a 6 meses de vida), imuno-suprimidos, pessoas com algum tipo de doença crônica pré-existente, como hipertensão arterial, diabetes mellitus, anemia falciforme, doença renal crônica, entre outras.

No entanto, a orientação é que todos busquem atendimento de saúde logo que apresentem os primeiros sintomas. O diagnóstico precoce e o tratamento em tempo oportuno reduzem significativamente as chances de agravamento do caso. Os sintomas são febre acompanhada de dor de cabeça, dor articular, dor muscular e dor atrás dos olhos ou mal-estar geral. Esses sinais não podem ser desprezados.

Combater a dengue é dever de todos.