Desde o último dia 20 a Assembleia Legislativa do Paraná está iluminada com a cor verde, a pedido do deputado Elio Rusch (DEM). A ato simbólico serve de conscientização sobre a esquizofrenia, doença mental grave que altera a maneira como a pessoa sente, pensa e se comporta, e que significa mente dividida, ou fragmentada.

No Paraná a lei 19824/2019 instituiu o Dia e a Semana de Conscientização sobre a Esquizofrenia e foi proposta na Assembleia Legislativa pela deputada Maria Victoria (PP). A data, celebrada no dia 24 e a semana que compreende esse dia, têm por objetivo apoiar a realização de encontros, estudos, debates, orientações às famílias, palestras e outras atividades relacionadas à conscientização a respeito da doença que atinge cerca de 1% da população mundial. No Brasil a estimativa é que 2,5 milhões de pessoas tenham a doença.

As pessoas portadoras podem ter alucinações com vozes, delírios de perseguição, desorganização do pensamento e do comportamento, isolamento e distanciamento afetivo daqueles que o cercam.

Causas – Assim como as demais doenças neurológicas, não há uma causa específica para o surgimento da doença. Especialistas alertam que o fato de ter alguém na família com a doença pode ser um fator maior para o desenvolvimento da doença.

Mas fatores ambientais podem estar envolvidos, como exposição a vírus ou desnutrição antes de nascer, problemas durante o parto e outros fatores psicossociais desconhecidos.

Sintomas – Segundo dados da OMS, a doença atinge homens até o começo dos 20 anos e mulheres na faixa de 20 a 30 anos. São raros os casos em pessoas com menos de 10 anos ou mais de 60 anos.

Entre os sintomas que o portador da doença pode apresentar estão alucinações, geralmente auditivas; delírios; discurso e comportamento desorganizado. Também podem apresentar uma diminuição do alcance emocional, falta de interesses e motivação, déficits neurocognitivos e alterações no humor, parecendo alegres ou tristes, mas que geralmente estão deprimidos.

Devido a inexistência de exame laboratorial que detecte a doença, o diagnóstico depende de acompanhamento clínico e comportamental por um profissional.

O tratamento pode ser realizado pelo SUS através da rede de atendimento de saúde mental.

PALÁCIO IGUAÇU TAMBÉM ESTÁ ILUMINADO EM VERDE

O Palácio Iguaçu, sede do Governo do Paraná, está iluminado de verde. A cor é uma lembrança da importância da conscientização da sociedade sobre a esquizofrenia e da necessidade de combater o preconceito contra a doença.

O período de 20 a 27 de maio marca o dia Dia e Semana da Pessoa com Esquizofrenia e diversas ações nesse sentido estão acontecendo em todo o Estado. A semana integra o Calendário Oficial de Eventos do Estado e serve como alerta para estimular o conhecimento sobre o assunto.

No Paraná, há uma lei específica sobre o tema: a lei estadual 19.824/2019, sancionada no dia 21 de março daquele ano pelo governado Carlos Massa Ratinho Junior, instituiu a última semana de maio para promoção de ações e de orientações sobre esse distúrbio.

A esquizofrenia é uma doença mental que afeta a maneira como a pessoa pensa e percebe o mundo. Um dos sintomas mais frequentes é a psicose, com alucinações e delírios. Estima-se que cerca de 2 milhões de brasileiros tenham esta doença.

O diagnóstico não pode ser feito com nenhum teste de laboratório, mas é realizado a partir da análise clínica e comportamental, e envolve entrevistas com os pacientes e familiares.

com AeN e ALEP Notícias