A Ilha do Mel ficou mais limpa nesta semana. Um mutirão organizado pelo Instituto Água e Terra (IAT), vinculado à Secretaria do Desenvolvimento Sustentável (Sedest), recolheu quase uma tonelada de lixo marinho do local, um dos mais emblemáticos pontos turísticos do Paraná. A ação ocorreu na terça (17) e quarta-feira (18) e contou com o apoio da ONG Eco Local Brasil, especializada no descarte indevido de resíduos plásticos no meio ambiente, e da Marinha do Brasil.

O time de 25 voluntários encontrou de tudo na Ilha, de chinelos usados passando por isqueiros, capacetes e até cadeiras plásticas. Também foram coletados objetos leves, grande parte de plástico, que a maré carrega até próximos aos bolsões de areia da praia.

“O Paraná é referência em sustentabilidade para o País, o estado mais sustentável do Brasil. E o pedido do governador Carlos Massa Ratinho Junior é para que movimentos como esse sejam intensificados”, destacou o diretor-presidente do IAT, Everton Souza. “A comunidade comprou a ideia do mutirão e isso ajuda muito na conscientização, na educação ambiental de todos”.

Coordenador de atividades da Eco Local Brasil, Filipe Oliveira liderou o mutirão no Litoral. Segundo ele, o lixo encontrado na Ilha não é proveniente de moradores ou turistas, mas do descarte impróprio realizado em outros pontos do Litoral. “A Ilha do Mel tem uma gestão de resíduos muito avançada, a comunidade local e os visitantes entenderam bem o processo. Esses objetos que recolhemos são pequenos, leves, normalmente de plástico, que o movimento do mar empurra para as praias”, disse.

LOGÍSTICA REVERSA – Em um processo de logística reversa, os resíduos recolhidos foram encaminhados para uma cooperativa de coletores de Pontal do Paraná, também no Litoral. O material será separado, pesado, prensado e retornará para a indústria como novas embalagens, gerando renda para os moradores da região.

“É uma união de esforços para combater o lixo marinho. Essa parceria existe há três anos e a cada três meses promovemos mutirões para limpar essa unidade de preservação ambiental tão importante para o Paraná”, afirmou Evelyn Jaques de Almeida, coordenadora do escritório do IAT responsável pela Ilha do Mel.

Kaiana Luisse Bueno é moradora da Ilha e passou boa parte da manhã desta quarta-feira com luvas e sacos reforçados buscando tirar do mar e da areia tudo aquilo que é prejudicial ao meio ambiente. “Esse é o lugar que eu mais amo no mundo. Frequento a Ilha do Mel desde criança e há três me mudei para cá. Essa ação foi uma junção de propósitos. É a minha retribuição por morar no paraíso”, ressaltou.

ILHA  Cerca de 95% da superfície da Ilha do Mel constitui uma Estação Ecológica, criada por decreto em 1982, para preservação e reconstituição de manguezais, restingas, brejos litorâneos e caxetais. Os outros 5% do território formam um Parque criado em 2002 para recuperação dos ambientes naturais remanescentes das praias e costões rochosos, importantes para proteção da Diversidade Biológica.

As áreas de preservação possuem como entorno belíssimas praias e atrativos turísticos, como a Fortaleza de Nossa Senhora dos Prazeres, o Morro do Farol e a Gruta das Encantadas, que, ao longo dos anos, transformaram a Ilha do Mel num dos pontos mais visitados por turistas brasileiros e estrangeiros no Paraná.

Foto: SECOM

da AEN