O Museu Campos Gerais da Universidade Estadual de Ponta Grossa (MCG-UEPG) investirá mais de R$ 400 mil no desenvolvimento de seus processos de preservação e digitalização de acervos, na modernização de seus espaços, contratação de profissionais e no planejamento de novas exposições. A verba é oriunda de dois editais de fomento cultural disputados pela equipe do MCG, provenientes de processos seletivos da Lei Paulo Gustavo e do Instituto Brasileiro de Museus (Ibram).

“Como museu universitário, além da programação cultural, investimos na produção do conhecimento científico. Os editais permitirão a contratação de bolsistas, a melhoria da estrutura e a aquisição de novos equipamentos”, explica o diretor do MCG Niltonci Batista Chaves. A verba proveniente dos editais será utilizada em conjunto com investimentos realizados pela Secretaria de Estado de Ciência e Tecnologia do Paraná (Seti) e Fundação Araucária para digitalização dos acervos, adiciona Chaves. “O MCG possui todas as condições de ser contemplado em outros editais e vamos participar de novas chamadas similares em 2024”, completa.

No edital do Ibram, o MCG conquistou o quinto lugar, em uma concorrência com mais de trezentas instituições. Com uma verba de R$ 250 mil, o MCG poderá investir na restauração de documentos e fotografias e ampliar seu Laboratório de Humanidades Digitais e Inovação. O espaço é dedicado a digitalizar e disponibilizar de forma on-line e gratuita o acervo documental do museu pelo repositório Memórias Digitais. A participação no processo se deve à necessidade de novas ferramentas para o projeto “Foto Tanko”, desenvolvido em cooperação com a prefeitura de Santo Antônio da Platina para restaurar um acervo com milhares de fotos que registram a ocupação do norte do Paraná.

Já na concorrência da Lei Paulo Gustavo, o MCG conquistou o quarto lugar no edital voltado à investimentos na digitalização de obras. Por meio do projeto “Memórias audiovisuais digitais: digitalização do acervo do Foto Elite”, o Museu receberá R$ 150 mil a serem utilizados na preservação, organização e digitalização do acervo de Germano Koch e  Domingos Silva Souza. “O investimento que buscamos participando desses editais é para ampliar nossa capacidade de preservar o acervo e nos consolidar como referência na área de digitalização”, explica o diretor de Ação Educativa e Extensão do MCG, professor Ilton Cesar Martins, que coordenou a participação do museu nos editais.

Foto: Aline Jasper

da UEPG