Um grupo de pouco mais de dez ponta-grossenses tem algo em comum: todos foram vítimas de golpes do mesmo marceneiro. Algumas das vítimas encontraram o homem por meio das redes sociais e outras por recomendação. Em todos os casos, os projetos contratados nunca foram finalizados e elas perderam a entrada paga para o início do serviço.

Algumas das pessoas lesadas já entraram com processos na esfera cível para tentar receber os valores investidos e recuperar eventuais danos materiais sofridos. O acusado não terá o seu nome divulgado em razão da lei do abuso de autoridade. A Polícia deve investigar o caso.

Relatos

Em entrevista exclusiva ao D’Ponta News, essas pessoas relataram o drama que passaram ao contratar o serviço de móveis planejados do marceneiro. “Ele inventa uma desculpa atrás da outra, não devolve o dinheiro e não entrega o serviço”, resume uma das vítimas.

Elas montaram um grupo no WhatsApp para buscar providências. “Eu tenho todas as conversas com ele. Eu perguntava se estava tudo ok e se ele estava fazendo a montagem do móvel. Ele dizia que sim. Até comentei com ele que iria passar outros clientes meus para ele executar. Ele se animou e disse que estava saindo de Curitiba e, no mesmo dia, se eu pudesse fazer uma reunião com os outros clientes, ele chegava até a noite pra passar o cartão”, relatou um rapaz.

Outra vítima afirmou que o homem, depois que pegou o dinheiro, não deu mais satisfação sobre o projeto planejado. “O meu caso é a mesma coisa. Encontrei ele pelo Facebook e pedi o orçamento de uma cozinha. Ele me passou o valor de R$ 2.500. Veio até minha casa, ele e a esposa, com o contrato, paguei R$ 1.500 de entrada à vista. Ele me deu um prazo de 30 dias para entregar a cozinha. Inventou as mesmas desculpas, que tinha desfeito sociedade e que começou a trabalhar numa marcenaria, mas que viria entregar. O celular dele só dá desligado, mando mensagem e ele não responde”, conta uma mulher. Uma terceira vítima relata que tem um bebê e que desmontou toda a cozinha à espera da entrega. “O homem não apareceu e não responde. Estou lavando a louça no tanque a lavanderia”, desabafa.

O golpe

O ‘golpe do marceneiro’ funciona sempre da mesma forma. O cidadão, na maioria das vezes acompanhado da esposa, mostra belos projetos, fecha contrato, recebe a entrada e nunca mais retorna ou entrega a encomenda. Documentos comprovam os acordos feitos, que até o momento não foram cumpridos.

Processo

D’Ponta News entrou em contato com a delegacia da Polícia Civil de ponta Grossa. O delegado-chefe, Nagib Nassiff Palma, informa que todas as vitimas devem fazer Boletim de Ocorrência. “Nesses casos são instaurados inquéritos policiais. Caso de fato seja configurado o estelionato, serão instruídos para, na sequência, com provas, ser indiciado e processado, podendo ter pena um a cinco anos de reclusão”, explica o delegado.

Texto: Igor Rosa | Foto: Google Imagens