O projeto Práticas Restaurativas, desenvolvido pelo Instituto Mundo Melhor, também sofreu transformações devido ao período da pandemia do novo coronavírus, onde todos os círculos estão sendo realizados virtualmente. Além do município de Ponta Grossa, as cidades mineiras de Araxá e Uberaba também aderiram a modalidade.

De acordo com Marcio Pauliki, vice-presidente da Lojas MM – empresa mantenedora do Instituto, o uso da tecnologia está sendo uma excelente alternativa para continuar desenvolvendo os projetos do IMM. “Mais do que nunca, o Instituto está focado em ajudar a sociedade a enfrentar este momento, tanto oferecendo apoio psicológico, quanto ofertando cursos de capacitação online”, evidencia.

A promotora de justiça de Minas Gerais, Miralda Lavor, explica que, por enquanto, apenas os facilitadores estão participando dos círculos virtuais, mas que eventualmente outro público poderá participar. Ela destaca que está sendo uma ótima experiência, especialmente, por ser também um suporte para quem está em isolamento.

“Percebo que no início as pessoas estranham um pouco por ser virtual, mas quando fazem o círculo se sentem bem, se sentem aliviadas por poderem falar. Até porque algumas pessoas estão bem isoladas, então o fato de participarem do círculo propícia colocar para fora o que estão sentindo e ser ainda uma forma de enfrentar o momento”, enfatiza a promotora.

Segundo a coordenadora do Centro de Formação Júlio Dario, Leany Tupinambá, os círculos no modo online têm gerado bons resultados e feedbacks. “Diversos participantes dos círculos têm relatado que os sentimentos de esperança, união, força, paz, empatia, entre outros, tem sido solidificados e contribuído no dia a dia de todos, especialmente, nesse momento de vulnerabilidade”, salienta.

Parceria CEJUSC

Érica Lemes, pedagoga do IMM, explica que os círculos no modo virtual também estão acontecendo em Ponta Grossa, com os facilitadores já formados pelo Instituto em parceria com o TJPR (Tribunal de Justiça do Paraná). “O entendimento/prerrogativa do IMM nesse momento é de fortalecer os facilitadores formados e oportunizar um espaço de fala e de escuta empática”, afirma.

A servidora coordenadora do CEJUSC – Ponta Grossa, Mariana Pissaco Cordeiro, conta que nesse contexto de isolamento social, os círculos virtuais surgem como uma possibilidade de aproximar as pessoas, mesmo que à distância. “O círculo de construção de paz utiliza uma metodologia empregada pelo CEJUSC, por isso para atuar na resolução de conflitos e fortalecimento de vínculos, tudo foi adaptado para o encontro virtual entre os participantes. O objetivo é dialogar sobre as dificuldades vivenciadas neste momento, bem como sobre as mudanças trazidas, boas e/ou ruins”, revela.

Mariana esclarece que, inicialmente foram feitos três círculos com facilitadores vinculados ao CEJUSC, a fim de que eles pudessem vivenciar a metodologia no formato virtual. “Estes facilitadores podem, seguindo as orientações do CEJUSC e os princípios do círculo, replicar os encontros virtuais para que mais pessoas possam participar e se sentirem acolhidas neste contexto inédito que estamos vivendo, com todas as mudanças trazidas com ele”, conclui.