Em Curitiba, um homem denunciado pelo Ministério Público do Paraná foi condenado pelo Tribunal do Júri a 32 anos, 10 meses e 15 dias de prisão em regime fechado por duas tentativas de homicídio, contra mãe e filho. O réu era convivente da mulher e tentou matá-la em casa, a facadas. O filho, então com 19 anos, tentou intervir, mas também foi agredido com golpes de faca – os dois só não morreram porque o padrasto do rapaz conseguiu tirar a arma branca do agressor, e as vítimas tiveram atendimento médico a tempo.

O crime foi praticado na madrugada de 5 de novembro do ano passado, no Bairro Cajuru, onde vivia a família. O MPPR sustentou a prática de dois homicídios tentados: contra a mulher, com as qualificadoras de feminicídio, motivo torpe e recurso que dificultou a defesa da vítima, e também com a causa de aumento de pena decorrente do fato de o crime ter sido praticado na presença do filho; e contra o jovem, duplamente qualificado, por motivo torpe e para assegurar a execução do primeiro crime. Como apontou o Ministério Público na denúncia, os crimes só não se consumaram “por circunstâncias alheias à vontade do agente”.

O julgamento foi realizado na terça-feira, 17 de janeiro. Na sentença, proferida pelo Juízo da 1ª Vara do Plenário do Tribunal do Júri de Curitiba, foi determinado o cumprimento imediato da pena, em regime inicial fechado – como o homem já estava preso desde o crime, deve permanecer detido, não lhe sendo concedido o direito de recorrer em liberdade.

Foto: Reprodução

do MPPR