Experimentos em ratos mostraram que a obesidade causa aumento da expressão da proteína ACE2, utilizada pelo SARS-CoV-2 como ponto de penetração na célula. Isso explica o motivo pelo qual a Covid-19 costuma ser grave em pessoas acima do peso.

A velhice, o tabagismo, o excesso de peso e a presença de doenças crônicas, em especial os problemas do sistema cardiovascular, bem como a diabetes, são os principais fatores de risco para complicações graves e mortalidade de pacientes com o novo coronavírus.

Cientistas dos Estados Unidos calcularam que a maioria dos pacientes hospitalizados em estado grave de Covid-19 eram obesos.

Biólogos do Canadá e dos Emirados Árabes Unidos decidiram descobrir o que exatamente causava a prevalência de formas graves da doença entre pacientes com Covid-19 e descobriram que o corpo de pessoas obesas produz um número aumentado de receptores que o SARS-CoV-2 precisa para penetrar nas células saudáveis.

“Anteriormente, foi demonstrado que o SARS-CoV-2 usa os receptores da enzima de conversão da angiotensina 2 para penetrar na célula hospedeira. Procuramos descrever como o SARS-CoV-2 interrompe as vias do metabolismo lipídico no hospedeiro e como a lipogênese não regulamentada afeta a regulação do ACE2, especialmente na obesidade”, escreveram os autores do estudo.

“Usando uma reanálise de dados transcricionais geralmente disponíveis, descobrimos pela primeira vez que as células epiteliais do pulmão infectadas com SARS-CoV-2 exibem maior regulação dos genes associados ao metabolismo lipídico, incluindo o gene SOC3, que está envolvido na regulação da inflamação e inibição da sinalização da leptina”, complementam.

No experimento envolvendo 16 ratos de laboratório, verificou-se que o organismo dos roedores que sofriam de obesidade produziu muito mais enzimas ACE2 com as quais as proteínas S do coronavírus interagem. Os pesquisadores descobriram, portanto, que o vírus tinha à sua disposição mais vias de entrada no organismo.

O estudo sugere que um processo semelhante pode estar presente no corpo de pacientes com diabetes e pacientes com colesterol alto no sangue. Mais pesquisas precisam ser feitas, contudo.

O professor Peter Openshaw, do Imperial College London, também observou que, aparentemente, o excesso de gordura ao redor dos órgãos internos exacerba a “tempestade de citocinas” causada pela Covid-19. A hipercicinemia é uma reação inflamatória não controlada que provoca danos aos tecidos do próprio corpo.

Para combater o vírus, o corpo começa a secretar moléculas de citocinas que fornecem interação entre as células: interferons, interleucinas, quimiocinas e assim por diante. Devido ao efeito da citocina, a célula começa a produzir outras citocinas – começa a chamada tempestade de citocinas, que pode levar à falência de múltiplos órgãos, hiperferritinemia e, muitas vezes, morte.

Além disso, estudos anteriores mostraram que as pessoas obesas têm, em princípio, maior probabilidade de sofrer complicações ou morrer de doenças infecciosas como a gripe. O excesso de peso também dificulta a respiração de oxigênio e, devido à falta de tecidos e órgãos, é observada disfunção. Todos esses fatores em geral podem explicar por que pacientes com excesso de peso têm menor probabilidade de tolerar a Covid-19.

O estudo foi publicado no site de pré-impressão bioRxivclique aqui para acessá-lo.

Imagens e informações: SocioCientifica