A Startup incubada no Hub de Inovação da Universidade Estadual de Ponta Grossa (UEPG), Clube da Robótica, foi selecionada para participar da primeira fase do programa Capital Empreendedor (CE), do Sebrae. A iniciativa tem o objetivo de orientar e capacitar startups e negócios inovadores a se aproximarem e negociarem com investidores. Nesta edição, a Clube da Robótica concorreu com mais de 300 startups e ficou entre as 29 empresas selecionadas.

Para o CEO da startup, Evandro Kafka Diadio, a conquista foi muito especial, pois representa o resultado do trabalho desenvolvido e tem grande importância para o crescimento da empresa. “Será um período de muito aprendizado e networking que, sem dúvida, irá acelerar muito o crescimento do Clube da Robótica”. A startup está incubada no Hub de Inovação da Agência de Inovação e Propriedade Intelectual (Agipi-UEPG) desde 2020. Kafka afirma que a parceria com a Universidade se deu em um momento importante para a empresa, que atravessava as dificuldades da pandemia. Segundo ele, estar incubada na UEPG não só auxiliou a startup a se estabilizar, mas também apoiou seu crescimento. “A entrada do Clube no Hub da UEPG foi fundamental. A gente pôde trazer todo o nosso material, todo o nosso equipamento e voltar a trabalhar efetivamente, já que durante a pandemia a gente ficou meio parado. E além disso, aqui tem toda a oportunidade que a Universidade dá, seja com os professores incubados aqui no Hub, seja com todo o apoio intelectual que a UEPG nos proporciona”, avalia.

O diretor da Agipi-UEPG, professor Miguel Archanjo de Freitas Júnior, considera que a aprovação da Clube da Robótica na primeira fase do Capital Empreendedor demonstra que tanto a startup quanto a Agipi estão no caminho certo. “Precisamos abrir espaço e auxiliar as pessoas que têm boas ideias e desejam colocar em prática. Tem muita gente na UEPG e também fora dela que precisa de uma oportunidade para fazer seu negócio alavancar. No Hub de Inovação da UEPG, essas pessoas têm o estímulo que precisam para concretizarem o seu sonho. Esse foi mais um passo dado pela Clube da Robótica na consolidação dessa startup”, afirma.

A parceria da Clube com o Sebrae não é de hoje. Evandro conta que a relação de longa data auxilia no crescimento da empresa e, por esse rápido desenvolvimento, a startup conseguiu o bom desempenho na primeira fase do Capital Empreendedor. “O Clube já participa de vários programas do Sebrae, seja como participante, seja como mentor, ou ainda como consultor de outras empresas, então a gente já tem essa relação há bastante tempo. Só que o programa Capital Empreendedor é um programa para startups que estão num estágio mais avançado, porque eles realmente visam conectar o empreendedor a futuros e potenciais investidores. Então é um programa que startups que estão numa fase mais inicial não participam, mas como o Sebrae identificou esse avanço do Clube da Robótica nos últimos anos, nos convidou para o Capital Empreendedor”, relata o CEO.

O convite para participar do CE veio da Gestora do Projeto de Startups do Sebrae Ponta Grossa, Thaise Amaral, que conhece a Clube da Robótica e apostou na participação da startup no projeto. “Eles são uma edtech, e na região não temos muitas startups de educação. Eu conheço o Evandro e o Clube desde a sua fundação. Entendo o potencial que eles têm, como se destacam nos programas que participam, como ele se dedica a sempre buscar soluções inovadoras para o negócio e estar sempre à frente das inovações de mercado”, justifica Thaise.

Evandro recebeu o convite do Sebrae e a seleção no Programa com alegria e orgulho da empresa, que cresceu rapidamente desde que foi incubada no Hub da UEPG. “No começo é um pouco assustador, pra falar a verdade, quando a gente vê a empresa crescer em ritmo acelerado. Quando a gente fala em startups com potencial de crescimento, a gente tá falando de empresas que crescem 5, 10 vezes ao ano. Isso é um número absurdo. Claro que é gratificante pra gente, a gente entende o quanto isso representa pra empresa, mas a gente sempre tenta manter o pé no chão e continuar crescendo sem perder os nossos princípios”, enfatiza.

O Capital Empreendedor

O programa Capital Empreendedor do Sebrae é dividido em diversas etapas, permitindo ao participante entender a dinâmica do investimento de risco, ampliar contatos de negócios, identificar o modelo de investimento mais adequado para o momento de sua startup, se aproximar e negociar com investidores de todos os estágios do capital. “O processo de seleção envolveu mais de 300 startups e a gente foi a única startup aqui da região dos Campos Gerais, o Sebrae chama essa região de Região Centro. Então, da regional Centro do Sebrae a gente foi a única empresa selecionada. Além de nós, mais 28 empresas de todo o estado vão participar desse projeto”, relata Evandro.

Nessa etapa em que foi aprovada, os integrantes da Clube da Robótica participarão de encontros online que visam auxiliar a empresa para a tomada de decisão sobre a melhor maneira de capitalização, visando crescimento. Thaise, do Sebrae Ponta Grossa, analisa que, já nessa etapa do programa, a Clube da Robótica será beneficiada: “Ele está numa fase de receber investimento e precisa se conectar com as pessoas que possam aproximá-lo desses investidores. Mas, além disso, ele precisa entender qual é o tipo de investimento certo para o momento em que o projeto dele se encontra”.

Evandro conta que, mesmo online, as atividades demandam bastante interação das empresas envolvidas. “A gente vai ter mais de 10 encontros durante o mês de junho que vão determinar quais empresas vão pra próxima fase. Essas próximas fases vão afunilando cada vez mais até na última fase sobrar um número limitado de empresas que vão ser realmente conectadas a um dos maiores investidores de startups do país e, aí sim, pode acabar acontecendo um negócio”, relata.

As próximas fases do Capital Empreendedor envolvem Oficina de Pitchs (apresentações curtas que a empresa faz para atrair investimento); mentorias sobre negócios; e, na última fase, os três

negócios destaque do CE visitarão espaços de inovação em São Paulo e rodadas de negócios com investidores. 

“Um dos principais benefícios de todos os programas do Sebrae que a gente participa é o networking, o contato que a gente tem, seja com as pessoas que organizam esses eventos, seja com os donos de outras empresas que a gente consegue trocar informação e, às vezes, até fazendo negócio”, avalia Evandro.

O diretor da Agipi, professor Miguel Archanjo, considera que a participação da startup é um resultado muito importante: “Precisamos destacar o trabalho realizado por diferentes atores. Começando pela dedicação dos próprios participantes do Clube da Robótica que dioturnamente estão no Hub de Inovação, trabalhando na melhoria da sua empresa. As mentorias e consultorias realizadas por meio do Hub de Inovação da UEPG, através de parcerias com o próprio Sebrae, com o Vale dos Trilhos, entre outros, são ações importantes para que eles se mantenham motivados e avançando o seu negócio”. Thaise também reconhece a relevância da participação da Clube da Robótica no Capital Empreendedor do Sebrae. “Estar na fase estadual do CE é uma grande conquista, pois foram muitos inscritos e uma vaga está garantida. Conseguimos enxergar e desmitificar o empreendedorismo inovador, voltado para startups e, com isso, o Clube serve de inspiração e exemplo aos demais empreendedores que pensam em percorrer o mesmo caminho”.

Os resultados do programa em suas 4 edições anteriores são significativos: 117 empresas investidas, com aportes na ordem de R$90 milhões. “Essa participação será de grande importância para a Universidade também, pois leva o nome da instituição e da Agipi para a comunidade externa”, avalia Evandro.

O Clube da Robótica e o Hub de Tecnologia da UEPG

O Clube da Robótica foi fundado em 2019 com o propósito de ensinar robótica de um jeito simples para crianças e adolescentes. Seu principal produto, a Robotbox, é um material didático que

introduz de forma simples e lúdica conceitos básicos de física, química, informática e robótica a alunos do Ensino Fundamental. Além do livro, a robotbox acompanha manual passo a passo e material necessário para a montagem de pequenos projetos de robótica, pelos quais os alunos aplicam na prática a teoria aprendida. Além disso, a empresa oferece oficinas e aulas de robótica para grupos de alunos e turmas escolares.

No Hub da UEPG desde 2020, a startup passou a contar com espaço físico adequado para a sede da empresa, além do apoio de professores que compõem a Agipi. “A maior contribuição do HUB é estar disponível para que os seus incubados trabalhem em um ambiente agradável, colaborativo, com auxílio mútuo naquilo que é possível e principalmente com liberdade de ação para quem quer alavancar os seus produtos. Ou seja, um ambiente agradável, colaborativo, com infraestrutura e uma rede de apoio é fundamental para o avanço das startups”, explica Miguel Archanjo.

Para o futuro, com a participação no Capital Empreendedor, Evandro mira no desenvolvimento da Clube da Robótica: “A expectativa é manter a linha de crescimento da empresa, aproveitar ao máximo os benefícios desse programa e replicar, o que a gente aprender lá, aqui no Hub com as outras startups”. Orgulhoso, o professor Miguel destaca: “A equipe da Agipi deseja muito sucesso ao Clube da Robótica e espera que essa parceria entre a incubadora e a empresa possa durar por muito tempo”.

da UEPG        Foto: Cristina Gresele