Segundo o balanço da unidade, 15 pessoas foram atendidas pela tripulação ainda no local da ocorrência e outras cinco, que estavam em situação mais graves, foram transportadas para atendimento em unidade de saúde. Os dados compreendem o período de 19 de dezembro até 03 de janeiro.

A aeronave utilizada é equipada com recursos e materiais para salvar vidas desde graves acidentes de trânsito até resgates em locais de difícil acesso, como a Serra do Mar.

Do dia 19 de dezembro de 2020, quando começou a operação, até o dia 03 de janeiro de 2021, os policiais e bombeiros militares do BPMOA prestaram, por 21 vezes, apoio ao Corpo de Bombeiros em resgates aeromédicos (atendimento na areia da praia ou no local da ocorrência) e cinco transportadas (por exemplo, de uma unidade hospitalar para outra).

Além disso, os dados também mostram que, nessas duas semanas, a aeronave da PM, disponível no Litoral fez 24 voos de patrulhamento: 20 nas praias e quatro em rodovias estaduais da região. “Atuamos como recobrimento aéreo às ações das viaturas policiais e de bombeiros em terra e fazemos compartilhamento de informações, além de termos uma visão privilegiada e podermos identificar situações críticas ou de crimes e repassar às equipes”, disse o comandante do BPMOA, tenente-coronel Julio Cesar Pucci dos Santos.

NIVELAMENTO – Para esta temporada de verão o Batalhão promoveu um nivelamento de procedimentos operacionais para que toda a tripulação militar e médica estivesse afinada para atender com maior eficiência as ocorrências. Os treinamentos contemplaram missões de busca e resgate de vítimas, combate a incêndio com helibalde, embarque e desembarque a baixa altura, rapel, entre outras técnicas.

Com efetivo mais preparado, o BPMOA também se preocupou com o tempo de resposta para as ocorrências. Para este verão, a unidade mudou o método de acionamento para que a tripulação chegasse ao local da situação antes de surgir o pedido de alguma unidade da PM ou do Corpo de Bombeiros. Outra mudança foi a ampliação da atuação da aeronave, que passou a operar mais durante a noite, para dar suporte, principalmente, aos acidentes de trânsito.

“Foi um início de temporada tranquilo, com algumas ocorrências que fogem do cotidiano, um pouco mais complexas, mas tivemos bons resultados. Mudamos o protocolo de atendimento de auxílio aos guarda-vidas para ganharmos tempo em resgates e, assim, termos mais chances de salvarmos vidas”, declarou o comandante.

BASE AÉREA – O serviço de resgate e remoção aeromédica prestado pelo Batalhão de Polícia Militar de Operações Aéreas ganhou eficiência desde a instalação do heliponto na UPA de Matinhos, em dezembro de 2019.

O local conta com melhor infraestrutura, alojamento para a tripulação e acesso rápido do local do pouso ao Pronto Socorro da unidade (são poucos metros) para agilizar o atendimento às vítimas durante a temporada de verão. Situada no balneário de Praia Grande, o espaço fica numa posição privilegiada que permite deslocamentos rápidos para qualquer ponto do Litoral.

informações\imagem