Na manhã desta quinta-feira (10), o Show Rural Coopavel sediou o Ciclo de Debates e Palestras da Comissão da Agricultura e Reforma Agrária do Senado Federal. O evento discutiu a importância das feiras tecnológicas na facilitação do acesso dos produtores rurais a equipamentos e técnicas que auxiliam no aumento da produtividade e produção de alimentos.

Uma das pautas foi o Projeto de Lei (PL) 6.417/2019, que moderniza o Sistema Nacional de Ciência, Tecnologia e Inovação para a Agropecuária (SNPA) e tramita na Comissão de Ciência e Tecnologia (CCT) da Casa Legislativa. Lideranças do setor agrícola pediram mais investimentos em pesquisa e aproximação definitiva entre órgãos públicos e privados.

Segundo o senador Acir Gurgagz, relator da proposta, o texto deve ser colocado para votação ainda no primeiro semestre de 2022. “O objetivo é fazer a tecnologia chegar na ponta, torná-la mais acessível aos agricultores”, disse. Gurgacz ressaltou que o Brasil é o terceiro maior produtor de pesquisas científicas voltadas para a agricultura no mundo, atrás apenas dos Estados Unidos e da China.

O secretário estadual da Agricultura e do Abastecimento, Norberto Ortigara, defendeu a integração de resultados das instituições que trabalham em prol da agricultura, como empresas públicas e universidades. Ele também defendeu que o Paraná é um ambiente aberto à inovação no campo.

“É de grande valor a presença do Senado Federal no Show Rural, um evento de tecnologia para o agro, para mostrar a capacidade de se produzir conhecimento e inovação. O Paraná pode se tornar ainda mais relevantes no mundo do alimento, e o caminho é a partir da sustentação de um sistema de pesquisa que permita mais parcerias, acesso ao conhecimento, qualidade e produtividade”, afirmou.

Para o diretor-presidente do Instituto de Desenvolvimento Rural do Paraná-Iapar-Emater (IDR-Paraná), Natalino Avance de Souza, é fundamental que o debate promovido pelo Senado se efetive na prática.

“O Paraná pratica hoje, sem dúvida, a melhor agricultura do País. E isso só foi alcançado graças à contribuição histórica tanto da pesquisa quanto da assistência técnica oficial, além do arranjo organizacional que se fez com as melhores e maiores cooperativas do Brasil. Queremos continuar essa trajetória de contribuições”, afirmou.

Segundo a diretora de Pesquisa do IDR-Paraná, Vânia Moda Cirino, a cooperação entre órgãos públicos e privados de pesquisa pode gerar mais avanço no conhecimento científico, promovendo competitividade e sustentabilidade. Ela destacou que o Instituto é parceiro na criação de um ambiente de inovação para o agronegócio, com base na Lei Estadual de Inovação, aprovada no ano passado.

“É importante que a gestão desse Sistema Nacional seja aberta, que todos possam trazer sua contribuição. Não se faz pesquisa sem recursos. É preciso reestruturar instituições de ensino e de pesquisa, para continuarmos sendo protagonistas de uma agricultura sustentável”, afirmou.

ESTIAGEM – Na ocasião, participantes aproveitaram para pedir agilidade nas discussões sobre crises emergenciais como estiagens prolongadas e interrupção temporária nas contratações de financiamentos do Plano Safra, anunciada pelo Ministério da Agricultura na segunda-feira (07).

EVENTO – O debate no Show Rural foi primeiro evento da Comissão de Ciência e Tecnologia em 2022, numa retomada das audiências públicas presenciais após cerca de dois anos de interrupção pela pandemia de coronavírus. Para os próximos meses estão agendadas participações do colegiado na Expodireto Cotrijal, de 7 a 11 de março, em Não-Me-Toque, Rio Grande do Sul; e na Rondônia Rural Show, entre os dias 23 a 28 de maio, em Ji-Paraná, Rondônia.

PRESENÇAS – Também participaram da mesa o senador Álvaro Dias; o prefeito de Cascavel, Leonaldo Paranhos; o presidente do Sistema Ocepar, José Ricken; o presidente do Sindicato Rural de Cascavel, Paulo Orso; e o presidente da Coopavel, Dilvo Grolli.

da AEN