O deputado estadual Soldado Fruet (PROS) defendeu, na sessão desta quarta-feira (15) na Assembleia Legislativa do Paraná, que o lucro de R$ 3,9 bilhões registrado pela Copel em 2020 poderia ser revertido no barateamento das tarifas de energia elétrica. “Sempre defendi que o paranaense receba o que é dele por direito. Se a Copel é do Paraná, justo seria que o lucro fosse utilizado em benefício de todos, através de redução das tarifas”, afirmou, citando o exemplo da Caixa. Na última segunda-feira (13), apesar da alta na Selic, o banco anunciou a redução das taxas de financiamento imobiliário, utilizando o lucro do ano anterior. “Parabéns, presidente Bolsonaro e presidente da Caixa, Pedro Guimarães. Que os governantes do Estado e da Copel tenham bom senso e os imitem”, disse.

O parlamentar lamentou que “a Copel só é nossa no slogan”. Segundo ele, “um balcão de negócios está instalado na empresa e uma rede de proteção governamental a envolveu para dificultar o acesso às informações”. Mas, complementou, “pouco a pouco, estamos conseguindo e as ações começam a ser tomadas para evitar que o povo paranaense pague uma conta bilionária no futuro”. Ele ressaltou que, como deputado, é seu papel fiscalizar a empresa, que pertence aos paranaenses e sobrevive de faturas pagas por cada família do Estado, “que nos últimos anos têm pesado no nosso bolso”. “Fiscalizo a Copel porque cada bobagem feita nela reflete na vida de cada paranaense”, declarou.

Poucos ganham muito – De acordo com o deputado, a venda da Copel Telecom prejudicou as cidades pequenas que já tinham dificuldades de acesso à internet. “Vendeu para destinar bilhões aos acionistas, não para focar em energia. Mais de R$ 1,2 bilhão foram parar em meia dúzia de bolsos”, comentou, observando que em 2020, mesmo na pandemia, a Copel lucrou mais de R$ 3 bilhões “e, ao invés de usar esse lucro para baixar a conta de luz, usará para encher ainda mais os bolsos dos acionistas”.

Soldado Fruet apontou que “a Copel é de poucos, infelizmente, é dos amigos do governador, como são os diretores e conselheiros” e lembrou que a maioria deles é nomeada pelo chefe do Executivo. O deputado citou também que os conselheiros querem aumentar em 50% sua remuneração. “Tem conselheiro que vai ganhar cerca de R$ 30 mil para participar de uma ou duas reuniões por mês”, indicou. “Já ganhavam bem, mas querem aumentar o salário, com a bênção do Governo”, salientou, acrescentando que o salário dos diretores passa de R$ 1 milhão por ano. “O que um diretor da Copel ganha, um paranaense não vai ganhar na sua vida inteira”, comparou.

Sucateamento – “Triste ver a Copel sendo sucateada, ao contrário do que a propaganda estatal mostra”, resumiu o Líder do PROS na Assembleia, adiantando que trará outras dúvidas e denúncias sobre a Copel, entre elas as vendas da maior usina e da Compagás, da qual é sócia. “Até o prédio sede da Copel está sendo vendido com a desculpa de que iria gerar economia. Porém, dias após o anúncio, foi publicado um extrato de contrato em que a Copel se compromete a alugar todo o prédio por vários anos ao custo de R$ 8 milhões por ano. Que raio de economia é essa?”, questionou. O deputado voltou a cobrar que a Liderança do Governo pare de barrar pedidos de informações de deputados à Copel e se interesse em buscar respostas, “pois assim estará verdadeiramente trabalhando em defesa do Paraná, do Governo e do povo paranaense”.

Da Assembleia legislativa.