Com a falta de chuvas e os rios cada vez mais secos no país, os brasileiros enfrentam uma das piores crises hídricas da história. Tal cenário, em um curto prazo, pode afetar o abastecimento de água e o fornecimento de energia elétrica nas casas e nos estabelecimentos comerciais por todo o território nacional – algo que já tem chamado a atenção de especialistas.

E tal preocupação se justifica. Segundo um levantamento feito pelo MapBiomas, o Brasil perdeu 15,7% de superfície de água nos últimos 30 anos, o equivalente a 3,1 milhões de hectares de superfície hídrica.

Diante de tais números, muitos brasileiros já se questionam se o país pode ficar sem água e às escuras. Para entender melhor a situação, o iG entrevistou especialistas em busca de respostas sobre como uma mudança de comportamento da população pode amenizar a crise hídrica no Brasil.

De acordo com o geólogo Pablo de Andes Fernández, uma das medidas que podem surtir um efeito positivo é a revegetação de áreas degradadas. “A vegetação, por meio da evapotranspiração [transferência de água à atmosfera por evaporação], contribui para as precipitações. A quantidade de água no planeta é constante, seja líquida, sólida ou vapor. Ou seja, a Terra não está perdendo água”, explicou o especialista.

Fernández também alertou para o reúso da água para determinadas atividades, como irrigação ou lavagens de locais públicos. “Desperdiçamos muita água que poderia ser reutilizada. Falta um trabalho mais assertivo neste sentido”, pontuou.

A oceanógrafa Fernanda Lima possui uma opinião semelhante à de Fernández em relação às áreas verdes. “Perdemos muito de nossa vegetação por causa de um desmatamento provocado pelo agronegócio e pela mineração, por exemplo. Não podemos perder isso de vista. Além disso, é preciso evitar a remoção das matas ciliares [vegetação típica de locais próximos a rios, lagos, etc]. Esta vegetação ajuda a evitar o assoreamento e contribui para a saúde dos corpos aquáticos”, argumentou a especialista.

Previsão de chuvas 

Segundo Fernández, o mês de agosto, historicamente, é mais seco. “A partir de setembro, começam as primeiras chuvas de primavera, que vão aumentando até chegar ao período mais chuvoso, entre janeiro e março. Isso é, digamos, o normal”, afirmou.

Ainda de acordo com o geólogo, no começo do próximo ano, os reservatórios brasileiros deverão apresentar níveis “minimamente necessários para manter o abastecimento”. Porém, ele alertou: “Mesmo assim, não vamos ter um 2022 muito folgado”, ressaltou.

Leia a matéria completa do IG