Mais uma vez, denúncias feitas pelo deputado estadual Soldado Fruet (PROS) no plenário da Assembleia Legislativa do Paraná levaram a Copel a recuar das intenções de conceder expressivos benefícios pecuniários ao alto escalão da empresa. Em assembleia geral realizada na sexta-feira (29), o Conselho de Administração da Copel aprovou o veto do Governo do Paraná, acionista majoritário da energética, às propostas do pagamento de um bônus de mais de R$ 3 milhões aos sete diretores – quase R$ 430 mil para cada um – e do reajuste de 21% na remuneração total dos conselheiros – perto de R$ 500 mil por ano. “Eu me sinto feliz, vendo que nosso trabalho foi vitorioso pela segunda vez contra a Copel. Essa vitória é de cada paranaense”, declarou o parlamentar.

“Fui eleito para defender o povo do Paraná, e não o governador ou os diretores que ele nomeou na Copel”, pontuou Soldado Fruet. Ele lamentou que, “na surdina, o Governo queria aumentar o salário dos conselheiros da Copel e pagar um bônus de mais de R$ 3 milhões aos diretores”. Ressaltou que sua equipe está atenta a cada documento do Governo. “Assim como já fizemos no ano passado, denunciamos essa manobra e o Governo foi forçado a recuar desse aumento que custaria milhões a nós, paranaenses”, afirmou, frisando que “essa conta teria sido cobrada nas nossas contas de luz; cada paranaense pagaria esse absurdo que o Governo pretendia fazer”.

Denúncia

Na sessão plenária do último dia 5 de abril, o deputado destacou a nova tentativa de aumento na remuneração dos conselheiros, atualmente em R$ 10,9 mil. “No ano passado, tentaram isso, denunciamos, tomou volume, houve protestos e o Governo recuou”, lembrou, referindo-se à retirada de pauta da proposta de correção de até 50% nos salários. Em seu discurso, o parlamentar disse que o pior de tudo que havia lido na proposta da Copel para a assembleia geral era a previsão de mais de R$ 3 milhões em bônus aos sete diretores, que se somariam aos R$ 5,5 milhões para salários. “Isso mesmo, quando a Copel alcança metas, ou seja, garante bilhões de lucros aos acionistas, seus diretores garantem milhões em suas contas”, enfatizou.

Ata

Conforme a ata da assembleia da Copel, foi aprovada a nova proposta do Governo do Paraná, limitando a remuneração dos administradores e conselheiros fiscais para o exercício de 2022 em R$ 10.271.869,38 – ante o valor global inicialmente previsto de R$ 13.002.528,27 -, “observado que não deverá contemplar a aplicação de correções ou reajustes nos valores individualizados de cada membro do Conselho de Administração, Comitês Estatutários, Conselho Fiscal e Diretoria Executiva, nem, tampouco, o pagamento de bônus à Diretoria Executiva”. O Soldado Fruet ressaltou que segue firme na missão que os eleitores do Paraná lhe confiaram, de fiscalizar e defender os interesses públicos.

ALEP    Créditos:Dálie Felberg/Alep