De acordo com a Fundação Municipal de Saúde, Ponta Grossa possui mais de cinco mil pessoas infectadas pela COVID-19 e 101 mortes confirmadas até o momento (29/09). A revogação de decretos municipais regulamentando atividades do comércio, de bares, restaurantes, circulação de pessoas em parques e áreas públicas, pode explicar os altos índices.

Em Ponta Grossa, o comércio está funcionando com escalonamento, de segunda a sábado. Áreas públicas, parques, academias, igrejas e supermercados também estão funcionando seguindo restrições. As aulas da rede municipal seguem suspensas desde o dia 20 de março e, segundo a Prefeitura, ainda não há previsão para o retorno. Estabelecimentos como bares e restaurantes estão autorizados a abrir com 40% da capacidade de público.

Já em Londrina, cidade do norte pioneiro do estado, os decretos continuam em vigor. De acordo com o Jornal Oficial do Município, somente nesta semana, depois de seis meses de pandemia, os bares serão autorizados a reabrir. O decreto 1.111/2020 estabelece que após o horário de fechamento, os estabelecimentos terão um prazo de 30 minutos para encerramento e recebimento de contas e saída de clientes, sendo proibida a entrada de outras pessoas e o recebimento de novos pedidos nesse período.

Os estabelecimentos que não cumprirem as regras terão suas atividades suspensas por uma semana. Além disso, determina que o comércio londrinense funcione das 10h às 17h, de segunda a sexta-feira. Aos sábados, os estabelecimentos podem abrir das 9h às 13h. Já os shopping centers podem ficar abertos de segunda-feira a sábado, das 11 às 22h.

Parques e áreas públicas como praças, ciclovias, lagos e pistas de caminhada também continuam interditados e eventos como churrascos, partidas de futebol e festas em chácaras seguem proibidos, com multas de até R$ 10 mil para quem desrespeitar a regra. Todas essas medidas colaboraram para a diminuição de novos casos e incidência de mortes, conforme mostram as estatísticas. De acordo com a Prefeitura de Londrina, durante o período de vigência das medidas restritivas, a média móvel da transmissão da COVID-19 caiu de 157 para 136 novos casos por dia.

Também houve redução em outros índices, incluindo a porcentagem de leitos de enfermaria ocupados, que diminuiu de 49% para 28%; a taxa de ocupação dos leitos de UTI, que teve redução de 84% para 63%; e o número de atendimentos da Unidade de Pronto Atendimento (UPA) do Jardim Sabará, que diminuiu de 379 para 322 casos por dia.

informações\imagem