Devido ao grande número de denúncias recebidas sobre a falta de cuidados das empresas de call center com os seus funcionários em relação ao coronavírus, o secretário estadual da Justiça, Família e Trabalho,  Ney Leprevost, assinou uma resolução neste domingo (22) com uma série de determinações e orientações.

“Os call centers foram tipificados como atividade essencial pelo governo federal, mas não vamos permitir que descumpram as regras que foram criadas para combater a pandemia de coronavírus e coloquem em risco a saúde dos trabalhadores”, disse Leprevost.

De acordo com o texto, as empresas de call center devem adotar imediatamente medidas de prevenção,  com base no distanciamento social, mantendo estações de trabalho com aproximação mínima de 1,5 metro, além de disponibilizar a todos os empregados acesso às áreas de higienização, providas de água corrente, sabonete líquido, toalhas descartáveis, lixeiras com tampa acionada por pedal. Também deverá ser disponibilizado álcool 70% em gel.

A resolução determina ainda que as empresas mantenham os ambientes de trabalho abertos e arejados, forneçam copos descartáveis em todos os setores e possibilitem aos seus empregados que evitem o compartilhamento de material de expediente, como canetas, telefones e lápis, fornecendo material individual.

Deverão, ainda, resguardar o quantitativo mínimo de empregados essencial à execução dos serviços, inclusive em sistema de rodízio com um mínimo de 50% do pessoal efetivo.

O prazo para a adoção das medidas é de 24 horas.

Informações e imagens: Agência Brasil