De acordo com os pesquisadores, isso equivale a pouco menos de oito vezes a distância média entre a Terra e a Lua. O gigantesco asteroide, oficialmente batizado de 501647 (2014 SD224), está viajando pelo espaço a uma velocidade aproximada de 10 quilômetros por segundo, ou 36 mil quilômetros por hora. A boa notícia é que não há riscos de colisão com nosso planeta.

A NASA classifica esses objetos espaciais como NEOs, sigla em inglês para Near-Earth Objects (Objetos Próximos da Terra). O programa de defesa da agência espacial dos EUA monitora constantemente asteroides e cometas que se enquadram nessa definição. Pelos critérios da NASA, são considerados potencialmente perigosos os objetos com mais de 140 m de diâmetro que se aproximam do nosso planeta a uma distância de 0,05 unidades astronômicas (ou seis milhões de quilômetros).

Em caso de impacto, asteroides do tipo podem desencadear tsunamis devastadores, terremotos e efeitos secundários que se estenderiam muito além da área de colisão. Há cerca de 66 milhões de anos, acredita-se que um asteroide de 10 km de diâmetro tenha causado a morte dos dinossauros e de dois terços de toda a vida na Terra.

Com informações: UOL