Com o aumento do número de obras nos últimos meses em decorrência da pandemia, também há o acréscimo na quantidade de resíduos provenientes da construção civil. Diante disso, a Associação dos Engenheiros e Arquitetos de Ponta Grossa (AEAPG) reforça a necessidade da destinação correta dos materiais utilizados.

Itens como concreto, pedras, tijolos, blocos e telhas, após serem triturados, são separados dando origem a areia, brita, pedrisco, etc, que podem ser utilizados como matéria-prima secundária ou serem transformados em outros tijolos e blocos e outros tipos de materiais.

O presidente da AEAPG, Roberto Pellissari, fala sobre estes materiais. “Esses resíduos são decorrentes, principalmente, da realização de reformas, pois demandam, muitas vezes, a demolição e adequação dos locais. Esse material, devidamente separado, pode ser utilizado como insumos para outros trabalhos”, orienta.

Outro aspecto relevante diz respeito à questão ambiental, uma vez que a destinação correta evita que possíveis poluentes sejam descartados na natureza sem tratamento adequado. É o que afirma o vice-presidente da AEAPG, Celso Sant’Anna. “A preocupação com o meio-ambiente é cada vez maior atualmente e a reutilização e tratamento dos materiais provenientes da construção civil permitem não só a diminuição de alguns custos da obra, como também minimiza o impacto ambiental dos projetos”, ressalta Sant’Anna.

Da assessoria/Foto: Reprodução.