Promover o empreendedorismo, a qualificação para o emprego e possibilitar oportunidades de microcrédito para o público de baixa renda. Esses são os objetivos do Acordo de Cooperação Técnica (ACT) firmado entre o Sebrae e o Ministério do Desenvolvimento e Assistência Social, Família e Combate à Fome (MDS) recentemente e que deve investir, no total, cerca de R$ 15,2 milhões. Nesta sexta-feira (20), quando o programa Bolsa Família completa 20 anos de existência, ao Sebrae apresenta quais medidas que serão executadas e reforça o seu papel na promoção do desenvolvimento do país e da autonomia da população mais pobre.

A parceria, que tem duração de cinco anos, já tem um plano de trabalho e está na fase de detalhamento das ações. Entre os principais resultados esperados está a disponibilização de um diagnóstico sobre qualificação, empregabilidade e empreendedorismo do público-alvo para fins de pesquisas científicas e acadêmicas, além do aprimoramento de políticas públicas de inclusão produtiva. Para isso, o Ministério do Desenvolvimento disponibilizará os dados do Cadastro Único ao Sebrae.

Na sequência, serão traçados perfis e jornadas que se encaixarão às demandas dos beneficiários. Também serão realizados cursos, eventos e trilhas de formação, inclusive para aqueles parceiros que contribuem para o desenvolvimento de capital humano e da empregabilidade do público-alvo. A formalização de cerca de 19 milhões de pessoas também está entre os pontos principais do acordo.

“No campo das políticas públicas, as dinâmicas que relacionam assistência social e inclusão produtiva são centrais. O fomento ao empreendedorismo, a formalização como Microempreendedor Individual (MEI) e a criação e desenvolvimento das micro e pequenas empresas são agentes prioritários na superação da pobreza no país”, ressalta o presidente do Sebrae, Décio Lima.

O presidente da entidade ressalta ainda que é importante que os beneficiários do Bolsa Família saibam que a formalização não possui relação direta com a perda dos benefícios do governo. Isso porque a regra de emancipação do Programa possibilita que o empreendedor formalizado receba o auxílio até que a renda mensal por pessoa da família seja superior a R$ 525.

Foto: Divulgação

da Agência Sebrae